AFP/Reprodução
AFP/Reprodução

Brasil tem primeiro caso 'provável' da nova hepatite misteriosa que ataca crianças e adolescentes

Paciente é uma adolescente de 16 anos, no interior de Mato Grosso do Sul; ela apresentou febre, icterícia, mal-estar e náuseas

João Ker, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2022 | 19h16

O Brasil notificou na segunda-feira, 31, seu primeiro caso "provável" da hepatite misteriosa de origem desconhecida, que tem infectado crianças e adolescentes ao redor do mundo. O País ainda não tem um paciente com diagnóstico confirmado da doença e ainda investiga outros 68 suspeitos, em 16 Estados, a maioria deles no Sudeste.

Ao todo, 95 casos suspeitos da "hepatite misteriosa" foram notificados em território nacional, dos quais 26 foram descartados. O diagnóstico "provável" foi feito na última sexta-feira, 27, mediante avaliação dos resultados laboratoriais de uma adolescente de 16 anos, em Ponta Porã, no interior do Mato Grosso do Sul

Desde 3 de maio, a adolescente apresentou sintomas como febre, icterícia, mal-estar e náuseas. Uma semana depois, ela foi internada e os resultados dos testes deram negativo para as hepatites A, B, C, D e E, assim como para arboviroses (dengue, zika, chikungunya e febre amarela). Ela foi encaminhada para a recuperação em casa e segue acompanhada pela vigilância em saúde e assistência, que ainda tentam esclarecer a origem da doença.

De acordo com a cartilha estabelecida pelo Ministério da Saúde, um caso é classificado como “provável” para a nova doença quando apresenta quadro de hepatite aguda com resultados laboratoriais negativos para as hepatites virais A, B, C, D, E; para arboviroses; e sem causa de origem não-infecciosa que justifique o quadro. 

Até o último dia 26, a Organização Mundial da Saúde havia identificado 650 casos prováveis da nova hepatite, espalhados em 33 países. Desses, nove morreram. 

Abaixo, veja a quantidade de casos em cada Estado que ainda seguem em análise:

  • SP (16)
  • MG (9)
  • PE (7)
  • RJ (7)
  • CE (6)
  • RS (5)
  • GO (3)
  • ES (2)
  • PR (2)
  • SC (3)
  • AL (1)
  • RN (2)
  • PA (2)
  • RO (1) 
  • MA (1) 
  • PB (1)

Relação entre hepatite e coronavírus

A origem desse novo tipo de hepatite ainda não foi identificada, mas começa a crescer a quantidade de evidências que a relacione com o avanço do coronavírus entre crianças e adolescentes. Um estudo divulgado na Lancet levantou a hipótese de que a causa poderia ser uma espécie de mistura entre as duas doenças. 

"Inicialmente achou-se que o adenovírus seria a causa das hepatites agudas,  mas o fato é que ele não aparecia em todos os casos", explicou o infectologista Marcelo Simão, da Universidade Federal de Uberlândia, em Minas. "Em muitas crianças que apresentaram quadros graves não foi possível isolar o vírus; e em algumas na qual foi feito um transplante não se achou o vírus no fígado retirado."

Partículas remanescentes do Sars-CoV-2 no trato intestinal das crianças estariam servindo de gatilho para uma reação exagerada no sistema imunológico a uma infecção posterior pelo adenovírus 41F.  A proteína spike do coronavírus é considerada um superantígeno. Ela torna o sistema imunológico mais sensível. Potencializaria o efeito do adenovírus 41F. Normalmente, esse vírus não provoca problemas mais graves. Saiba mais aqui. / COLABOROU ROBERTA JANSEN

Tudo o que sabemos sobre:
hepatite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.