Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS
Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS

Brasil tem recorde de contaminados em 24h e supera a marca de 200 mil casos confirmados

País já contabiliza ao todo 13.993 mortes pelo novo coronavírus; informações são do Ministério da Saúde

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2020 | 19h39
Atualizado 15 de maio de 2020 | 09h27

BRASÍLIA - Segundo dados do Ministério da Saúde atualizados nesta quinta-feira, 14, o Brasil superou a marca de 200 mil infectados pelo novo coronavírus. Ao todo, o número de casos confirmados da covid-19 no País está em 202.918, com o recorde de 13.944 novos registros entre ontem e hoje. 

O número de óbitos em decorrência do novo coronavírus no País subiu de 13.149 para 13.993, um acréscimo de 844 registros nas últimas 24 horas. 

 

Ainda de acordo com a pasta, há pelo menos 2 mil mortes em investigação para identificar se a causa foi a covid-19 ou não. Dos 202.918 casos confirmados do novo coronavírus no País, 109.446 estão em acompanhamento e 79.479 estão recuperados.

O Estado de São Paulo segue liderando em número de casos (54.286) e mortes (4.315) decorrentes da doença; seguido pelo Ceará (21.077 casos e  1.413 óbitos); e pelo Rio de Janeiro (19.467 e 2.247).

Os números vêm numa crescente. Ontem, o Brasil ultrapassou a França em número total de casos confirmados da covid-19 e se tornou o 6º país no mundo com mais casos acumulados da doença, segundo levantamento da universidade Johns Hopkins. Na terça, o Brasil já  tinha ultrapassado a Alemanha nesse ranking. 

O número de mortes também avança. Apenas na semana passada, o recorde de registros diários de óbito por covid-19 no País foi transposto três vezes. 

A marca mais alta de novos registros de óbito em apenas um dia no País é de terça-feira, 12, quando 881 mortes decorrentes do novo coronavírus foram contabilizadas.

O número de novos registros de óbito em 24 horas não indica efetivamente quantas pessoas morreram entre um dia e outro, mas sim o número de óbitos que tiveram o diagnóstico de covid-19 confirmado nesse intervalo. O tempo entre o óbito e a confirmação da doença pode chegar a ser de semanas, o que também indica que o número real de casos seja maior do que consta nas estatísticas. 

Além disso, os dados do Ministério da Saúde apresentam especificidades em relação aos dias da semana. Em fins de semana e feriados, os registros de contaminações e óbitos em decorrência do novo coronavírus costumam despencar.  A questão, segundo técnicos da pasta, se dá pelo regime de plantão nos centros de saúde e em laboratórios, o que atrasa o repasse das informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.