Butantan negocia compra de mais 20 milhões de doses da Coronavac, diz Doria

Governador repetiu o ultimato que deu ao governo federal recentemente ao dizer que, caso o contrato para o lote extra de 54 milhões de doses não seja assinado até esta sexta, o Butantan venderá a vacina diretamente aos Estados

Redação - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 3 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 3 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

O Instituto Butantan está em negociações para comprar mais 20 milhões de doses da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista à Reuters nesta quinta-feira, 4. O instituto já havia garantido 100 milhões de doses até setembro. 

 Coronavac, vacina desenvolvida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Foto: Gabriela Biló/ Estadão

Até agora, o Ministério da Saúde assinou apenas um contrato com o Butantan para adquirir 46 milhões de doses do Coronavac para distribuição nacional, mas Doria disse estar confiante de que assinará mais 54 milhões de doses em breve. A intenção já foi sinalizada pelo ministério na sexta-feira, 29, que prometeu firmar novo contrato nesta semana. “Não vamos, diante de uma situação de vida ou morte, apenas esperar para ver o que acontece”, disse.

Continua após a publicidade

A vacina vem sendo envasada no Butantan após o recebimento do insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China. Uma nova fábrica está sendo construída para a produção completa da vacina pelo Butantan, que deve iniciar a fabricação em escala a partir de janeiro. Do Butantan saem todas as doses da Coronavac destinadas ao Programa Nacional de Imunização. 

A ideia é que os 54 milhões de doses que devem ser acertadas nesta semana sejam entregues até setembro. Os 20 milhões de doses adicionais atualmente em negociação atenderiam este período entre setembro e janeiro, quando a fábrica brasileira deve começar a produzir 100% da vacina. Doria manifestou confiança de que a aquisição será concretizada.

"Está na etapa de negociação, mas o laboratório Sinovac tem sido um bom parceiro, muito correto e muito solidário às nossas necessidades aqui do Brasil, e não tenho dúvida nenhuma de que nos atenderá nessa solicitação", afirmou o governador.

Depois de um atraso na entrega dos insumos da Coronavac, o Butantan recebeu na noite de quarta-feira, 3, o IFA para o envase de 8,6 milhões de doses da vacina, com entrega prevista a partir do dia 25. Na próxima semana, também na quarta-feira, deve chegar ao Brasil um novo lote de insumos, dessa vez para a produção de mais 8,7 milhões de doses do imunizante.

Doria disse que as negociações para a liberação dos insumos pelo governo chinês foram feitas pelo governo paulista, que tem um escritório de representação em Xangai, com o apoio da embaixada da China no Brasil.

O governador disse que a representação do governo federal em Pequim não participou das tratativas, embora tenha declarado que mantém boa relação com a embaixada brasileira na China. Ele disse ainda que as futuras importações de insumos da Sinovac para o Butantan agora devem ser "constantes".

"Muito provavelmente receberemos lotes de vacinas semanalmente, ou na pior das hipóteses a cada 10 dias", disse o governador.

Prazo de pagamento

De acordo com o governador, até o momento o Ministério da Saúde ainda não pagou pelas 8,7 milhões de doses da Coronavac já entregues pelo Butantan, apesar de o presidente Jair Bolsonaro, desafeto político de Doria, ter assinado uma medida provisória que destina 20 bilhões de reais para a compra de vacinas contra covid-19.

O Butantan está vendendo a dose da Coronavac ao Ministério da Saúde por US$ 10,30 dólares. O contrato inicial do instituto com a Sinovac, que previa a entrega de 6 milhões de doses prontas e 40 milhões em insumos, além da transferência de tecnologia, foi de 90 milhões de dólares.

"Ainda não recebemos. E há um prazo a ser cumprido. Até o final deste mês de fevereiro, portanto até 28 de fevereiro, o governo deve cumprir o pagamento das doses que já recebeu. Se não o fizer, não receberá mais doses da vacina do Butantan", disse Doria.

"Aí voltamos àquelas prerrogativas dos governos estaduais. Não havendo compra pelo governo federal, os governos estaduais farão essa compra para a imunização das suas populações. Mas isso de certa forma quebra o pacto federativo, porque sempre foi o governo federal que fez a aquisição de vacinas... Seria uma lástima quebrar mais essa referência do Programa Nacional de Imunização."

Doria repetiu o ultimato que deu ao ministério recentemente apontando que, caso o contrato para o lote adicional de 54 milhões de doses não seja assinado até esta sexta, o Butantan venderá a vacina diretamente aos Estados. A pasta disse que assinaria o acordo nesta semana.

Além das doses da Coronavac entregues pelo Butantan, o ministério tem, até o momento, 2 milhões de doses da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford no Programa Nacional de Imunização. Nesta quinta, o ministério disse que espera para sábado a chegada de insumos da China aguardados desde janeiro para o início do envase da vacina da AstraZeneca pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Indagado sobre o ritmo de vacinação em São Paulo - até a noite de quinta-feira, cerca de 660 mil pessoas haviam sido vacinadas no Estado, o que significa um percentual menor da população do que em outros Estados -, Doria reconheceu que "é possível acelerar" a imunização contra a covid-19.

"Eu determinei à área de imunização que acelerasse esse processo, dado ao fato de que nós agora estamos seguros que o Instituto Butantan receberá semanalmente doses da vacina para poder atender à necessidade da população do Estado de São Paulo", afirmou./REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato