Pascal Rossignol / Reuters
Pascal Rossignol / Reuters

Brasil vai testar contra coronavírus remédio para artrite que teve bons resultados na França

O tocilizumabe, usado no tratamento de artrite reumatoide, é conhecido por ser capaz de bloquear a substância interleucina 6, que está na base da chamada "tempestade inflamatória" que ocorre na covid-19

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2020 | 18h34
Atualizado 12 de maio de 2020 | 11h55

SÃO PAULO - Uma coalizão de hospitais brasileiros que vêm realizando ensaios clínicos para testar a eficácia, contra a covid-19, de medicamentos já existentes inicia nesta semana a análise de uma nova droga, o tocilizumabe, para checar se ele é capaz de frear a chamada “tempestade inflamatória” causada pelo novo coronavírus.

Sob coordenação de pesquisadores da Beneficência Portuguesa, a Coalizão Covid Brasil (composta pelos hospitais Albert Einstein, do Coração (HCor), Sírio-Libanês, além da própria BP e a Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet), vai fazer um estudo com 150 pacientes internados, com covid-19 confirmada e com quadro de pneumonia moderada a grave. Metade vai receber a droga e metade, não.

“O que sabemos em relação à covid-19 é que os pacientes têm uma tempestade inflamatória muito forte, liberando inúmeras substâncias no corpo. É essa tempestade que causa disfunções nos órgãos, principalmente nos pulmões”, explica Viviane Cordeiro Veiga, coordenadora de UTI da BP.

O tocilizumabe, usado no tratamento de artrite reumatoide, é conhecido por ser capaz de bloquear uma dessas substâncias, a interleucina 6, que está na base dessa cadeia inflamatória. No fim de abril, pesquisadores franceses divulgaram que tiveram resultados positivos ao aplicarem a droga em alguns pacientes com coronavírus

Produzido pela Roche, o medicamento, de acordo com os pesquisadores, reduziu "significativamente" a proporção de pacientes que tiveram de ser transferidos para terapia intensiva, ou morreram, em comparação com aqueles que receberam tratamento padrão. A informação foi dada pela Assistência Pública-Hospital de Paris (AP-HP), responsável pela pesquisa. Mas especialistas ressaltam que o medicamento foi testado em um número reduzido de pessoas e demanda mais testes.

“Vamos checar se ele é capaz de inibir a liberação dessa substância, tentando minimizar essa resposta inflamatória exacerbada. Em artrite aguda ele faz isso. Vamos ver como se comporta com o coronavírus. Ainda é um estudo, não sabemos se vai dar certo”, explica Viviane.

O alvo da pesquisa serão pacientes já com algum comprometimento pulmonar, mas que ainda estejam na fase inicial. Preferencialmente serão incluídas pessoas que ainda não tenham sido entubadas, ou que estejam no máximo a um dia com o tubo. “A ideia é ver ser o remédio consegue evitar que o paciente piore”, diz a médica. 

Ela ressalta que não está se falando aqui de algo que possa representar uma cura. É um remédio que, se mostrar mesmo eficaz, vai ser aplicado em pacientes hospitalizados, para que eles não cheguem ao ponto de precisar de respirador e de UTI. Não vai ser uma droga que poderá ser tomada em casa quando os sintomas começarem a aparecer, mas é algo que, se der certo, pode evitar quadros piores, quando o risco de morte aumenta.

A expectativa é ter uma resposta em dois meses. O estudo já foi aprovado pelo Comitê Nacional de Ética (Conep), e os pacientes começaram a ser recrutados neste fim de semana.

Este é o estudo clínico de número seis que está sendo desenvolvido na coalizão. Outros testes investigam, sempre de modo randomizado (em que parte dos voluntários não recebe o tratamento investigado, como controle), efeitos da hidroxicloroquina (em pacientes leves a moderados, em graves e para uso ambulatorial); de sua associação com azitromicina; da bexametazona e de um anticoagulante.

Após quase cinco meses do início da pandemia, ainda não existe nenhuma droga considerada eficaz contra a doença.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.