Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Roberto DaMatta: 'Brasileiro acha que seguir as normas é coisa para otário'

Sociólogo e antropólogo Roberto DaMatta diz que sensação é de que as pessoas perderam o medo de pegar covid-19

Entrevista com

Roberto DaMatta, sociólogo e antropólogo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 05h00

Nesta semana, o Brasil passou de 90 mil mortes pelo novo coronavírus, com 2,5 milhões de casos confirmados e a pandemia em avanço para o interior do País. O antropólogo Roberto da Matta, professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro e colunista do Estadão, vê relação da indiferença ao número de mortes por covid-19 no Brasil com a desobediência da população às regras de isolamento social. Para DaMatta, isso também resulta das falhas na educação do povo brasileiro. Veja a entrevista.

1. Mil mortes por dia e as pessoas despreocupadas, indo a festas e praias. Somos indiferentes à nossa tragédia? 

Todos nós seres humanos precisamos dos próximos. Somos uma sociedade relacional, em que as relações são mais importantes que os indivíduos, uma sociedade em que chegar perto e tocar os outros é sinal de afeto. Então fica difícil manter o isolamento e aceitar que mortes acontecem devido a isso.

2. As pessoas perderam o medo de pegar a doença? 

Se você não vê o que potencialmente pode te afetar, fica mais difícil de aceitar e seguir as regras de proteção. Tem também aquela ideia brasileira de que com você não vai acontecer. Seguir normas gerais é coisa para otário, para quem é inferior. Quem é superior acha que não pega. A condição religiosa também é muito forte, tem gente que acha que usar um amuleto, benzer, não pega. No caso do Brasil, existe um alto nível de contaminação, mas também de recuperação. O dado faz parte do conjunto que leva a essa reação.

3. O coronavírus não é uma ameaça igual a todos?

O problema das grandes cidades brasileiras é imenso. As maiores vítimas são os empregados domésticos, os que têm empregos marginais. O óbvio é que os vulneráveis fiquem mais expostos, mas o que espanta é que não só eles estão sendo afetados, mas as classes média e alta também. Prova é que o maior desafiador do vírus, o presidente da República, com sua rebeldia burra, ficou doente. O princípio do velho Freud: é aquilo que você não espera que aconteça com você, mas pode acontecer com todo mundo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.