Reuters
Reuters

Brasileiros apresentam pesquisas em evento sobre o bóson de Higgs

Trabalhos exploram as consequências da possível existência de dimensões extras no Universo e relatam resultados recentes obtidos em colisões de íons pesados

Agência Fapesp,

28 de junho de 2012 | 12h32

 Quatro trabalhos de pesquisadores brasileiros serão apresentados na Conferência Internacional de Física de Altas Energias (ICHEP 2012), que será realizada em Melbourne, Austrália, entre os dias 4 e 11 de julho.

Os cientistas fazem parte do Sprace (sigla em inglês para Centro de Pesquisa e Análise de São Paulo), grupo de pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp) que participa das pesquisas conduzidas na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern), na Suíça.

Segundo a Unesp, a ICHEP 2012 vem despertando grande interesse da comunidade científica internacional porque, durante a conferência, serão apresentados os resultados mais recentes sobre a busca do bóson de Higgs.

Integram a equipe do Sprace Sandra Padula, Thiago Tomei, Flávia Dias e Ângelo Santos, além de Sérgio Novaes, coordenador do grupo. Os trabalhos do grupo exploram as consequências da possível existência de dimensões extras no Universo e relatam resultados recentes obtidos em colisões de íons pesados.

O Sprace teve participação ativa no experimento DZero do Fermilab, nos Estados Unidos, que operou até setembro de 2011, e vem desenvolvendo pesquisas junto à Colaboração CMS do Cern, com a qual já publicou mais de 130 trabalhos científicos.

O cluster do Sprace faz parte do Worldwide Computing Grid do LHC (WLCG) e, por meio de recursos concedidos pela FAPESP, acaba de agregar mais 64 nós de processamento e aumentar sua capacidade de armazenamento para 1 Petabyte.

“O apoio da FAPESP, por meio do nosso Projeto Temático, tem sido decisivo para nossas atividades de análise de dados do LHC”, disse Novaes.

Promovida desde 1950 em cidades como Rochester (Estados Unidos), Tóquio (Japão), Moscou (Rússia) e Paris (França), a ICHEP chega a Melbourne em sua 36ª edição. Com a participação de vários ganhadores do prêmio Nobel ao longo de sua história, é um fórum privilegiado para a apresentação dos resultados coletados em alguns dos mais importantes aceleradores de partículas do mundo, como o Fermilab e o Cern.

“Estarmos representados de forma tão expressiva em um evento dessa magnitude é uma demonstração de que a comunidade internacional vem reconhecendo o trabalho que desenvolvemos”, disse Novaes, professor do Instituto de Física Teórica (IFT), coordenador do Sprace e diretor científico do Núcleo de Computação Científica (NCC), sediado no campus de São Paulo da Unesp.

Mais informações sobre o Sprace: www.sprace.org.br.

Mais conteúdo sobre:
Bóson de Higgspesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.