TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Brasileiros preferem cães a gatos, diz IBGE

Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, do IBGE, mostra que 44,3% dos domicílios do País têm pelo menos um cachorro

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

02 Junho 2015 | 10h00

Atualizada às 19h45

RIO - A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, do IBGE, divulgada nesta terça-feira, 2, revela que os brasileiros preferem ter cachorros a gatos como animais domésticos. Em 2013, em 44,3% dos domicílios  havia pelo menos um cão, o que equivale a 28,9 milhões de residências; 17,7% possuíam pelo menos um gato, ou 11,5 milhões de residências. As áreas rurais têm mais bichos.

A média nacional de cachorros é de 1,8 por domicílio; a de gato é de 1,9. A maior proporção de cães é no Sul (58,6%) e a de gatos é no Nordeste (23,6%).  

As informações foram incluídas na PNS porque servem ao Ministério da Saúde para o planejamento de compra de vacinas contra a raiva. Conforme a PNS, em 24,6% das residências os animais não haviam sido vacinados nos 12 meses anteriores à entrevista. 

Definido como legítimo "cachorreiro", o micro-empresário Nícholas Bottini, de 31 anos, gostou do resultado da pesquisa. Natural de Porto Alegre, o apaixonado por cachorros desde os três anos de idade não cuida só de um cãozinho, mas de doze. O amor pelos animais, segundo ele, surgiu ainda com os pais, que também adoravam os cães.

"A vida inteira eu tive cachorros. A paixão se iniciou pelos meus pais, que começaram a cuidar deles desde sempre também", apontou Bottini. Mas cuidar dessa quantidade de cães só é possível porque ele vive em uma casa na zona sul de Porto Alegre com aproximadamente 600 m². Bottini reconhece, no entanto, que se morasse em um apartamento, somente dois cachorros poderiam dividir o domicílio com ele.

É o caso da administradora de empresas Gabriela Hmielevski, de 27 anos. A gaúcha vive com dois cães em um apartamento na zona norte de Porto Alegre. Apesar de ter dois cachorros de médio porte, ela garante que os animais se adaptam facilmente a qualquer lugar. "Eu já tive cachorros em um apartamento que não tinha pátio. Era muito complicado. Mas eles, mesmo assim, se adaptam muito rápido. Hoje eu tenho um espaço maior, possuo um terraço", explica Gabriela.

Para a administradora, a vida muda com os animais de estimação. "Com o cachorro a gente nunca está sozinha. É uma alegria, um conforto. Entendem quando tu não estás em um dia legal e te ajudam a aliviar o estresse", diz Gabriela.

Mais conteúdo sobre:
IBGE PNS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.