Universidade de Bristol/Reprodução
Universidade de Bristol/Reprodução

Britânicos descobrem crocodilo que viveu há 130 milhões de anos

Animal é antepassado de espécies modernas que habitam regiões de água salgada

Efe

21 de março de 2012 | 10h51

LONDRES - Uma nova espécie de crocodilo, que teria vivido há 130 milhões de anos, foi descoberta por cientistas britânicos nos pântanos de Swanage, no sul da Grã-Bretanha. A descoberta foi anunciada nesta quarta-feira, 21, por Mike Benton, principal responsável pela pesquisa em torno do animal.

 

A descoberta se baseia em um crânio fossilizado encontrado em 2007. O crocodilo seria um antepassado de espécies modernas que habitam regiões de água salgada, de acordo com pesquisadores da Universidade de Bristol, que examinaram o fóssil por cinco anos.

 

O crocodilo foi batizado cientificamente de Goniopholis kiplingi, em homenagem a Rudyard Kipling, escritor anglo-indiano autor do Livro da Selva, que inspirou a história de Mogli, o Menino Lobo. O fóssil analisado tem um metro de comprimento, está em bom estado de conservação e indica que o animal viveu no período cretáceo inferior.

 

"Esse novo crocodilo se parecia muito com os atuais quanto à forma e à dentadura. Era bem grande, embora não gigante", disse Benton. De acordo com o especialista, o réptil media de 4 a 5 metros de ponta a ponta e se alimentava de peixes, tartarugas e até pequenos dinossauros, que habitavam pântanos e lagos de águas quentes.

 

Embora outros fósseis de Goniopholis tenham sido encontrados na Grã-Bretanha há mais de um século, os ossos do crânio do novo exemplar são mais alargados e ainda há diferenças sutis no maxilar superior. O mais importante fator da descoberta, diz Benton, é que ela ajudará a calcular o número de espécies de crocodilos que habitaram a Europa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.