Foto: NILTON FUKUDA/AE
Foto: NILTON FUKUDA/AE

BRK Ambiental e Firjan Senai desenvolvem método para monitorar covid-19 no esgoto

Projeto será testado em Macaé e resultados servirão como indicador da densidade de pacientes positivos na região

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 14h34

RIO - A BRK Ambiental, empresa privada de saneamento básico, a Vitaltec Engenharia e o Instituto Senai de Inovação em Química Verde (ISI QV) fizeram parceria para desenvolver um método inédito para avaliar a  presença do material genético do novo coronavírus no esgoto. O projeto será iniciado em Macaé, cidade ao norte do Rio de Janeiro.

A tecnologia inédita utiliza um novo sistema de ultrafiltração, produzido com uma nova membrana feita de polímero, combinada com a técnica de RT-PCR em tempo real. "A metodologia otimizada ao longo desta ação será capaz de detectar com precisão a presença muito pequena do material genético do vírus causador da covid-19 nas amostras. Uma vez implementado, os resultados gerados por este método poderão atuar como um indicador da densidade de pacientes positivos na região", informou a Firjan em nota.

O projeto conta com o financiamento da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapaii) e apoio da prefeitura Municipal de Macaé, que colocará à disposição as equipes técnicas das secretarias de Saneamento e de Meio Ambiente.

"Pesquisas ao redor do mundo já identificaram a presença do vírus no esgoto de grandes centros urbanos. No entanto, foram usados métodos diferentes para esta avaliação e as amostras são geralmente complexas, o que pode gerar sérias imprecisões quanto aos dados obtidos", explicou o pesquisador do Instituto SENAI de Inovação em Química Verde, Alex Queiroz.

Para validação do método proposto, serão coletados materiais em pontos estratégicos do município e a expectativa é de que os resultados permitam estimar o real nível de contaminação na cidade, considerando que uma parcela dos pacientes com Covid-19 pode não apresentar sintomas evidentes, porém são capazes de transmitir o vírus para outras pessoas. 

"Com as dificuldades para a testagem em massa, queremos contribuir com um trabalho que sirva como uma ferramenta de extrema utilidade para as políticas de combate ao coronavírus. Os resultados vão servir como uma base de informações para o monitoramento do avanço da pandemia em Macaé”, pontua Sinval Andrade, diretor da BRK Ambiental no Rio de Janeiro.

A BRK Ambiental será responsável pelo suporte tecnológico em relação aos processos de tratamento de esgoto; o Instituto Senai realizará os ensaios laboratoriais, a Vitaltec Engenharia vai desenvolver o sistema de ultrafiltração e a prefeitura de Macaé promoverá apoio logístico e institucional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.