Bronzeamento 'excessivo' de modelo brasileira causa polêmica na Europa

Campanha de anúncios de biquíni com Isabeli Fontana acusada de incitar pessoas a se expor perigosamente ao sol

Daniela Fernandes, BBC

17 de maio de 2012 | 08h00

&

Uma campanha publicitária de biquínis da marca H&M está causando polêmica na França e em países da Europa por mostrar o corpo da top brasileira Isabeli Fontana extremamente bronzeado, o que incitaria, na opinião de médicos, as pessoas a se expor perigosamente ao sol.

Especialistas criticaram fortemente a publicidade afirmando que ela transmite a ideia de que o bronzeado excessivo é atraente e estimularia as pessoas a não se preocupar com os riscos de câncer de pele.

A top brasileira aparece nas imagens com uma pele marrom escura e brilhante, um tipo de bronzeado tido como irreal e que exigiria meses de exposição constante ao sol.

"Para vender biquínis, a marca reforça representações sociais sobre como deve ser o corpo das pessoas, mesmo se para isso é preciso pagar o preço de massacrar a saúde", diz o médico Emmanuel Ricard, da Liga francesa contra o câncer.

'Tom' brasileiro

"Se formos além do aspecto estético, a manequim da campanha é candidata a ter câncer de pele nos próximos anos. A marca é irresponsável e perigosa", afirma.

Na França, a campanha pode ser vista em horário nobre na TV e também em vários outdoors nas ruas.

As críticas contra a publicidade começaram na Suécia, país sede da rede de lojas de roupas H&M, e se espalharam pela Europa, já que a campanha é internacional.

Até a miss Suíça, Ammanda Ammann, que conseguiu se recuperar de um câncer, protestou contra as imagens, afirmando que "publicidades desse tipo transmitem um ideia errada e irreal da beleza".

Inicialmente, a marca havia se defendido das críticas afirmando que a modelo da campanha "é brasileira e tem naturalmente um tom de pele mais escuro do que a maioria das europeias".

Apesar de morena, o tom de pele natural de Fontana não é o mostrado na publicidade.

Mas depois a marca divulgou um pedido de desculpas para tentar pôr fim à polêmica.

"Sentimos muito se nossa campanha feriu algumas pessoas. Nosso objetivo não era valorizar um ideal de beleza específico e menos ainda promover um comportamento perigoso".

'Tanorexia'

Médicos franceses alertaram ainda para o risco de uma doença chamada "tanorexia", ou seja, uma dependência ao bronzeamento, apesar da pessoa conhecer os riscos de uma exposição prolongada ao sol, como rugas e lesões pré-cancerígenas.

&

"Da mesma forma que existe a anorexia, há pessoas que se tornam dependentes do bronzeamento, seja por meio do sol ou o obtido com lâmpadas de UV", afirma Gérard Rousselet, da Ordem de dermatologistas da França.

"A metade dos casos de câncer de pele é devida a uma exposição exagerada ao sol", diz.

A França vai reforçar a regulamentação das cabines de bronzeamento artificial.

Um decreto do governo anterior que será publicado nos próximos dias proíbe promoções do tipo "três sessões pelo preço de uma" e vai limitar a potência das lâmpadas de raios ultravioletas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
alsobronzeamentocâncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.