Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

Butantan quer produzir 40 milhões de doses da vacina contra covid Butanvac, 100% nacional, em 2021

A técnica usada para o imunizante é a mesma empregada na produção da vacina da gripe, que já é feita no Butantan. Com isso, o País não dependerá de insumos importados para produzi-la e poderia começar imunização a partir de julho

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2021 | 07h53
Atualizado 26 de março de 2021 | 17h20

Instituto Butantan vai pedir nesta sexta-feira, 26, autorização à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar os testes clínicos da Butanvac, uma possível nova vacina contra a covid-19. Dimas Covas, presidente do instituto, disse que pretende enviar um dossiê de desenvolvimento clínico à agência ainda hoje. Se tudo correr bem nos testes, o instituto começará a produzir a vacina em larga escala em maio, iniciando a aplicação na população em julho. O objetivo é fabricar 40 milhões de doses até o fim do ano.

A técnica usada pela Butanvac é a mesma empregada na produção da vacina da gripe, que já é feita no Butantan. A vacina é produzida em ovos de galinha e o País não dependerá de insumos importados para a sua produção. Dentre as vantagens dessa tecnologia, Dimas Covas destacou o baixo preço e a segurança. O presidente do Butantan disse que nenhuma outra vacina contra a covid-19 utiliza essa técnica. O lote piloto, que será usado nos ensaios clínicos, já está pronto.

"É um momento de profunda esperança para todos nós. Dia 26 de março é o dia da esperança", disse Doria em coletiva de imprensa.

A tecnologia da Butanvac utiliza um vetor viral que contém a proteína Spike do novo coronavírus de forma íntegra. O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle, uma infecção que afeta aves, mas que não causa sintomas em seres humanos.

O instituto tem capacidade para produzir 100 milhões de doses da Butanvac por ano, afirmou Covas. A prioridade de compra é do Ministério da Saúde, mas o excedente poderá ser vendido ao governo de São Paulo ou exportado para outros países. O compromisso do Butantan é fornecer a vacina para países de baixa e média renda. Vietnã e Tailândia estão ao lado do Brasil no consórcio internacional para a produção da Butanvac.

Covas falou que o desenvolvimento da vacina começou há um ano. "De lá para cá, foi uma luta intensa de toda a equipe", disse. Ele adiantou que os resultados dos testes pré-clinicos se mostraram extremamente promissores. A vacina foi enviada à Índia para ser testada em animais e, segundo o Butantan, teve resultados "excelentes". Já os testes clínicos de fase 1 e 2 devem começar em abril e durar de 45 a 75 dias.

O presidente do Butantan acredita que a fase de estudos clínicos pode ser encurtada porque já há um conhecimento maior sobre vacinas contra a covid-19. "O estudo pode ser feito de forma comparativa com as demais vacinas do ponto de vista imunológico." Os voluntários dos ensaios clínicos são pessoas dos grupos que ainda não estão sendo vacinados no Brasil.

"A gente superou várias etapas, tem um bom produto, promissor. Tem algumas etapas ainda a superar, das fases clínicas, mas estamos bem confiantes", disse Ricardo Oliveira, diretor de produção do Instituto Butantan.

Covas falou que essa é uma vacina mais imunogênica e, por isso, existe a possibilidade de ser aplicada em dose única. Fatores como quantidade de doses e o intervalo entre elas serão avaliados nos estudos clínicos. "Essa é a geração 2.0 da vacina. Nós aprendemos com as vacinas anteriores e agora sabemos o que é uma boa vacina para a covid-19. Essa já incorpora algumas dessas modificações", disse.

Não há nenhum recurso do Ministério da Saúde alocado no desenvolvimento da vacina neste momento. "Os recursos são do Butantan e do Estado de São Paulo", disse Doria. Os estudos clínicos serão financiados pelo Instituto Butantan, que já tem recursos reservados para isso. Ainda não há um custo definido para a vacina, mas Dimas Covas acredita que ela será uma vacina "muito barata".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.