Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Entenda a Butanvac, vacina do Butantan contra a covid que será produzida no Brasil

Testes devem começar assim que a Anvisa autorizar; caso resultados sejam positivos, população pode ser imunizada em setembro

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2021 | 09h51
Atualizado 02 de maio de 2021 | 16h02

   

SÃO PAULO - O Instituto Butantan anunciou no dia 26 de março os detalhes sobre a Butanvac, candidata a imunizante contra a covid-19 que deve ser testada em humanos assim que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar. A solicitação para o início dos testes em humanos foi feita em 23 de abril e o órgão regulador está analisando o pedido.

A vacina terá toda a produção realizada no Brasil e utilizará a mesma tecnologia usada na vacina da gripe, que já é feita pelo instituto. Se os resultados forem positivos, a meta é iniciar a vacinação da população em setembro. Veja perguntas e respostas sobre o imunizante.

Quando a vacina Butanvac começou a ser desenvolvida?

Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, o desenvolvimento do imunizante teve início há um ano. A tecnologia apresentada como base da vacina Butanvac foi criada em 2020 por pesquisadores do Instituto Mount Sinai, de Nova York (EUA). O Butantan diz que a concepção da tecnologia não é do Brasil, mas a produção será 100% nacional. O Mount Sinai, segundo o instituto de São Paulo, é parceiro no projeto da Butanvac.

A vacina já foi testada em animais?

Sim, os testes foram realizados na Índia e, de acordo com o Instituto Butantan, os resultados foram positivos.

Quando devem começar os testes em humanos com a Butanvac?

O início dos testes clínicos com a vacina produzida pelo Instituto Butantan deve ser em maio, mas só vai começar após aprovação da Anvisa.

Como a vacina funciona?

Segundo o instituto, ela usa o vetor viral, a proteína spike do novo coronavírus de forma integral. A tecnologia usada é a mesma utilizada para a produção da vacina da gripe, que é feita no Butantan. As cepas são cultivadas em ovos de galinha, resultando em doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos.

"O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle, uma infecção que afeta aves. Por esta razão, o vírus se desenvolve bem em ovos embrionados, permitindo eficiência produtiva num processo similar ao utilizado na vacina de influenza.

O que é a doença de Newcastle?

É uma infecção que afeta somente aves e o vírus desta doença "não causa sintomas em seres humanos, constituindo-se como alternativa muito segura na produção. O vírus é inativado para a formulação da vacina, facilitando sua estabilidade e deixando o imunizante ainda mais seguro", diz o Butantan.

Quem poderá ser voluntário para os testes com a vacina Butanvac?

Inicialmente, serão 1,8 mil voluntários para a vacina do Butantan. Os testes das fases 1 e 2 serão realizados em pessoas com mais de 18 anos. Segundo Dimas Covas, podem participar dos testes tanto adultos que já foram vacinados contra a covid-19 quanto aqueles que ainda não receberam nenhum imunizante. Os testes devem abranger adultos que já foram infectados e também os que nunca tiveram contato com o coronavírus. A seleção vai iniciar assim que a Anvisa autorizar o começo dos testes.

Quanto tempo os estudos da vacina do Butantan devem durar?

Em coletiva de imprensa realizada no dia 23 de abril, Dimas Covas falou que os testes devem durar 20 semanas. O diretor do Butantan projeta que a partir da 16ª semana, em setembro, os primeiros resultados dos testes devem ser divulgados e o instituto vai poder pedir o uso emergencial do imunizante.

A partir de quando as doses serão produzidas em larga escala?

O lote piloto para os testes clínicos já está pronto. O primeiro lote com um milhão de doses da vacina começou a ser produzido no dia 28 de abril.

E quando pode começar a vacinação da população?

A meta é começar a vacinar a população em setembro e o objetivo é ter 40 milhões de doses prontas até julho.

Quantas vacinas o Instituto Butantan consegue produzir?

A produção esperada é de 100 milhões de doses por ano.

Qual será o investimento para produção da Butanvac?

O valor ainda não foi anunciado, mas a previsão é de que o custo não seja elevado. De acordo com o governador João Doria, o custo será menor, porque não há importação de insumos nem custos de logística, já que o imunizante será 100% produzido no Brasil.

A vacina será tomada em quantas doses?

A definição será feita após os testes, mas Dimas Covas afirmou que existe a possibilidade de ser em dose única.

A vacina será exportada?

O imunizante do Butantan será fornecido para países de baixa e média renda. Vietnã e Tailândia, que são parceiros no projeto, também vão receber. A Butanvac será produzida por meio de um consórcio internacional com o Instituto de Vacinas e Biologia Médica do Vietnã e a Organização Governamental Farmacêutica da Tailândia. O Butantan vai produzir 85% da capacidade total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.