Divulgação
Divulgação

Cachorrinha sobrevive após receber marcapasso humano

Cadela schnauzer Joana tinha grave doença cardíaca e sofria constantes desmaios e convulsões; cirurgia foi feita em Botucatu

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2016 | 10h12

SOROCABA - Quem vê a cachorrinha Joana correndo, pulando e latindo sob os olhos atentos da dona, em Botucatu, no interior de São Paulo, não imagina que o animal estava fadado a morrer subitamente. A cadelinha, da raça schnauzer, tinha uma grave doença cardíaca e sofria constantes desmaios e convulsões. Submetida a uma cirurgia no Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no dia 3 de março, Joana recebeu um marca-passo usado em humanos e agora leva uma vida normal.

A dona de casa Rosa Maria da Silva procurou o Hospital Veterinário depois de se desesperar com os seguidos desmaios de Joana. Um eletrocardiograma apontou alterações compatíveis com a síndrome do nó sinusal, uma anomalia que afeta o ritmo do coração e que atinge principalmente fêmeas da raça schnauzer.

"Monitoramos os batimentos por 24 horas e constatamos pausas de até oito segundos que causavam os desmaios. O caso era grave e a única saída seria implantar o marcapasso", explicou a veterinária Amanda Cruz Aleixo.

O professor Rubens Ramos de Andrade, da Faculdade de Medicina, foi contatado e cedeu o equipamento, dotado de uma bateria que envia impulsos elétricos ao coração. A realização da cirurgia incomum reuniu as equipes da Medicina e dos serviços de Anestesiologia e de Cardiologia Veterinária da universidade. Residentes acompanharam a intervenção, que durou pouco mais de uma hora.

A dona de Joana, que tinha sido avisada dos riscos da operação, comemorou o resultado. Passado um mês da cirurgia, a cachorrinha é considerada curada.

"O coração está batendo certinho como um relógio, e os desmaios cessaram. Ela está feliz como nunca", disse. O Hospital Veterinário de Botucatu atende mais de 20 mil casos por ano e é considerado o maior da América Latina em número de atendimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.