'Caminhada espacial' será necessária para reparar refrigeração da ISS

Segundo a NAsa, rompimento de circuito desligou controles de temperatura da estação espacial

estadão.com.br

02 de agosto de 2010 | 09h45

WASHINGTON - Os tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), deverão realizar as chamadas "caminhadas espaciais" neste semana para consertar o sistema de refrigeração do complexo, anunciou a Agência Espacial Americana, a Nasa, no domingo, 1º, informa a agência de notícias CNN.

 

Os tripulantes foram alertados pelos alarmes da estação, que dispararam na noite do sábado, quando um circuito se rompeu e interrompeu o abastecimento de amônia a parte do sistema de refrigeração, conforme a Nasa detalhou em um relatório.

 

A agência, porém, informou também que "a tripulação não corre nenhum risco e está monitorando os sistemas e relaxando, já que não há tarefas programadas".

 

Os engenheiros estão revisando os planos preliminares para que dois tripulantes realizem uma "caminhada espacial" ainda nesta semana para substituir as peças danificaras. O problema no abastecimento de amônia fez com que outros sistemas da nave também fossem desligados.

 

A Nasa informa que, sem os controles dos reguladores de refrigeração e aquecimento, as temperaturas do lado da ISS virado para o Sol pode chegar a 121°C, enquanto no outro, o frio pode chegar a -157°C.

 

Os alarmes soaram apenas dois dias depois de oficiais da Nasa alertarem sobre os riscos de escombros espaciais se chocarem contra a estação. Posteriormente, o aviso foi retirado.

 

Três americanos e três russos compõem a tripulação da ISS. Eles realizaram mais de cem experiências nas áreas biológica, física, no desenvolvimento de tecnologias e nas ciências terrestre e espacial, segundo a Nasa.

Tudo o que sabemos sobre:
ISSNasaespaçoestação espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.