Vladimir Konstantinov/Reuters
Vladimir Konstantinov/Reuters

Campanha de carnaval contra aids usa tom sóbrio e não se refere a gays

Especialistas defendem citação a homossexuais e governo diz que focou o público masculino; mote será a música ‘Jenifer’

Felipe Frazão e Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2019 | 03h00

BRASÍLIA - A campanha de prevenção à aids para o carnaval será mais sóbria e sem referência ao público gay. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, responsável pela escolha do material que será usado nos próximos dias, vetou peças gráficas com referências a casais do mesmo sexo. Preferiu um material classificado como “genérico” e com um tom de advertência mais carregado. Em vez do clima festivo, a ideia foi reforçar a responsabilidade para a prevenção. Filme e cartazes serão anunciados hoje pelo governo.

A referência ao público gay é apontada por especialistas em estratégias de prevenção de HIV/Aids como essencial. Sobretudo no momento em que é crescente o total de infecções registradas em jovens homens que fazem sexo com homens. 

Boletim do Ministério da Saúde mostra que 53,6% dos registros de casos novos de HIV na população masculina ocorreram entre homossexuais. Em 2010, o porcentual era de 44,3%. Profissionais que trabalham na prevenção dizem ser importante que grupos se reconheçam nas campanhas. A estratégia abre caminho para que a mensagem cause impacto e haja mudança de comportamento.

A recomendação do ministro Mandetta, no entanto, foi de ressaltar as consequências da falta de prevenção e a necessidade de despertar a responsabilidade do indivíduo. Esse tom já havia sido identificado nas campanhas de imunização, que mostravam pessoas com sequelas de doenças que poderiam ter sido prevenidas com a vacinação.

Questionado sobre a ausência de referências ao público gay, o Ministério da Saúde afirmou que a campanha de prevenção à aids tem como foco o grupo masculino, independentemente da orientação sexual. De acordo com a pasta, a escolha do público-alvo foi norteada pelo fato de que 73% dos casos novos da infecção ocorreram entre homens. Desse total, 75% entre homens de 15 a 39 anos. 

Jenifer

A campanha deste ano usa como mote a música Jenifer, de Gabriel Diniz. Além das peças de campanha, o Ministério da Saúde lança uma embalagem para preservativos distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Escolhida num concurso, traz uma imagem que remete ao símbolo usado para ligar e desligar aparelhos eletrônicos, uma forma, de acordo com a pasta, para também deixar clara a responsabilidade individual.

Como o Estado revelou, o Ministério da Saúde retirou do ar no início deste ano uma cartilha voltada para homens trans. Uma das páginas da cartilha exibia um esquema do órgão sexual feminino e um desenho de uma espécie de seringa invertida, batizada de “pump”, usada para aumentar o clitóris. Quase um mês depois, o material foi novamente colocado na página da pasta na internet, mas desta vez sem ilustrações polêmicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.