Camila Domingues/Palácio Piratini
Camila Domingues/Palácio Piratini

Campanha de vacinação contra a gripe começa nesta 2ª feira para idosos

Trabalhadores da área da saúde também estão na primeira etapa de vacinação; cerca de 67 milhões de pessoas devem ser imunizadas

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2020 | 09h11

SÃO PAULO - A campanha da vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira, 23, em todo o País, inicialmente para idosos e trabalhadores da área da saúde. Diante do avanço do novo coronavírus e para proteger a população contra os vírus mais comuns da influenza, o Ministério da Saúde antecipou a iniciativa que estava programada para 13 abril. A expectativa é vacinar 67,6 milhões de pessoas.

Com a alta letalidade de covid-19 entre pessoas acima de 60 anos, o governo federal também decidiu começar a vacinação pelos idosos e trabalhadores da área da saúde. A partir desta segunda-feira, postos de saúde já disponibilizam as vacinas. É importante lembrar que ações estão sendo adotadas para evitar aglomerações nas unidades.

Serão realizadas mais duas etapas em datas e para públicos diferentes. Até 22 de maio, a meta é vacinar pelo menos 90% de cada um dos grupos de risco. 

O dia "D" de mobilização nacional para a vacinação será em 9 de maio, quando 41 mil postos de saúde ficarão abertos para atender todos os grupos prioritários.

Confira o cronograma:

  • 1ª etapa começa em 23 de março: idosos e trabalhadores da área da saúde.
  • 2ª etapa começa em 16 de abril: doentes crônicos, professores (rede pública e privada) e profissionais das forças de segurança e salvamento.
  • 3ª etapa começa em 9 de maio (No dia "D" mobilização nacional): priorizará crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com 55 a 59 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com deficiência, povos indígenas, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

Vacinação em farmácias

Na quarta-feira, 18, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que fechou uma parceria com mil unidades de farmácias e drogarias particulares para aplicação de vacinas contra a influenza a partir do dia 13 de abril na capital paulista. A medida poderá ser estendida a outros municípios do Estado. O objetivo é evitar aglomerações em postos de saúde.

Influenza

A vacina da gripe não tem eficácia contra o novo coronavírus, mas proteger contra os outros tipos de vírus da influenza. A ação pode evitar de forma mais precoce casos de complicação da gripe, o que sobrecarregaria o sistema de saúde em um momento de crise.

Em 2020, até 14 de março, foram registrados 165 casos e 13 óbitos por influenza A (H1N1), 139 casos e 14 óbitos por Influenza B e 16 casos e 2 óbitos por influenza A (H3N2). 

O Estado de São Paulo concentra o maior número de casos de H1N1, com 42 casos e 2 óbitos. Em seguida, estão a Bahia (40 casos e 3 óbitos) e o Paraná (20 casos e 5 óbitos). No ano passado, o País registrou 5,8 mil casos e 1.122 óbitos pelos três tipos de influenza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.