Divulgação/ SBC
Divulgação/ SBC
Conteúdo Patrocinado

Campanha quer levar paciente de doenças cardiovasculares e metabólicas de volta ao médico

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, população banalizou as doenças responsáveis pelo maior número de mortes no País

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

26 de novembro de 2021 | 08h00

Embora sejam a principal causa de mortalidade no Brasil desde a década de 60, as doenças cardiovasculares e metabólicas ainda são negligenciadas pela maioria da população. Falta de adesão adequada ao tratamento, dificuldades em manter mudanças no estilo de vida e até desconhecimento sobre os fatores metabólicos de risco para as doenças cardiovasculares são situações marcantes no País. "Vivemos uma banalização das doenças cardiovasculares e metabólicas no Brasil", explica José Francisco Kerr Saraiva, diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/Funcor). "As pessoas temem o câncer, mas não levam a sério, muitas vezes, as doenças que mais matam no País", completa. 

Pensando nisso, a Sociedade Brasileira de Cardiologia, com o apoio da AstraZenecaBayerNovartis, acaba de lançar a campanha "Parou por quê? O tratamento das doenças cardiovasculares e metabólicas não pode parar", um projeto inédito para levar informação às pessoas com essas enfermidades sobre a importância da adesão ao tratamento. "É fundamental que o paciente perceba que, ao falar em tratamento, não podemos nos ater apenas ao uso do remédio", destaca Celso Amoedo, presidente da SBC. "Nós sabemos que a mudança no estilo de vida, também abandonada durante o período da pandemia, é indispensável para o controle do paciente e o sucesso do tratamento", acrescenta.

 

"Quando você extrapola isso para atividade física e alimentação controlada, indispensáveis para o tratamento juntamente com a medicação, a situação é ainda mais desanimadora", continua Amoedo. A SBC quer alertar a população de que, no caso de doenças cardiovasculares e metabólicas, não adianta simplesmente ir ao médico uma vez por ano e tomar o medicamento. "O remédio é fundamental, obviamente, mas ele sozinho não faz milagres", lembra o médico, ressaltando o fato de que 80% das doenças cardiovasculares poderiam ser evitadas com a mudança no estilo de vida. A tecla já é conhecida, mas continua sendo fundamental para garantir o sucesso do tratamento. 

Segundo Saraiva, a campanha "Parou por quê?" tem o objetivo de levar informações para a população de maneira rápida e eficiente, com maior foco nas mídias digitais. Para isso, valeu-se da presença do ator Ary Fontoura, uma estrela nas redes sociais, que já conta com mais de 3 milhões de seguidores de todas as idades no Instagram. "O Ary não parou na pandemia; seu crescimento no meio digital se deu justamente nesse período. Queremos reforçar que nunca há motivos para deixar de lado o controle das doenças cardiovasculares e metabólicas e lembrar o simples fato de que elas matam mais que o câncer no Brasil", conclui o diretor da SBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.