Daniel Teixeira / Estadão
Daniel Teixeira / Estadão

Cardiologista Roberto Kalil Filho é internado com novo coronavírus

Médico renomado, ele apresentou sintomas e foi diagnosticado com a doença, mas passa bem

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

31 de março de 2020 | 17h41

  

SÃO PAULO - O cardiologista Roberto Kalil Filho foi internado nesta segunda-feira, 30, no Hospital Sírio-Libanês após apresentar sintomas do novo coronavírus, a covid-19. Ele foi submetido a testes e a infecção pela doença foi confirmada.

Kalil Filho, que é diretor-geral do Centro de Cardiologia do Sírio-Libanês, apresentou tosse no final de semana. Na segunda, acordou febril e a tosse tinha se intensificado. Ele continua internado, mas passa bem.

O cardiologista é o terceiro profissional renomado na área da saúde a ser diagnosticado com a doença. O primeiro foi o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo. Em entrevista ao Estado, o infectologista afirmou que está sendo difícil ficar isolado "sabendo que o mundo está caindo na sua frente"

No último domingo, 29, o cirurgião gástrico Raul Cutait, de 70 anos, que também está com a doença e está internado desde o dia 27, precisou ser entubado. Ele está estável, segundo o último boletim divulgado.

Cutait atua como cirurgião gástrico do próprio Hospital Sírio-Libanês, além de ser professor do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Academia Nacional de Medicina.

Ele é um dos integrantes da equipe médica que acompanha o tratamento do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, contra um câncer.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Também no último domingo, o Hospital Sírio-Libanês informou que, desde que o novo coronavírus chegou no País, 104 funcionários tiveram resultado positivo para a doença. O hospital diz que adotou, de forma proativa, a medida de testar os profissionais que atuam na linha de frente no combate à doença ou aqueles que apresentaram sintomas.

"Não há evidências de que eles foram infectados no hospital, uma vez que já há transmissão comunitária da doença no País", informou, por meio da assessoria.

Ainda segundo o hospital, os profissionais passam bem e já está havendo uma redução de casos entre os servidores, "o que pode ser reflexo da quarentena".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.