Cartaz sobre Aids entre homossexuais é censurado na França

Associação de Profissionais por uma Publicidade Responsável julgou a propaganda como 'muito explícita'

02 de janeiro de 2008 | 14h32

A Associação de Profissionais por uma Publicidade Responsável censurou uma propaganda que mostra homens sem roupa em uma cama, na França, segundo informou o jornal El País nesta quarta-feira, 2. O cartaz, que faz parte de uma campanha institucional contra a propagação do vírus da Aids entre os homossexuais, foi julgado como muito explícito.   O veto da associação fez com que outras organizações, como Act Up Paris, dedicadas a luta contra a Aids, criticarem em dobro, pois este tipo de incômodo depende se aparecem gays ou heterossexuais nos anúncios. "Este tipo de medida não se aplica quando os protagonistas são heterossexuais. É um agravo para a comunidade gay", declarou um porta-voz da associação.   O grupo exigiu que continue a divulgação da campanha tanto nos meios gays como nos demais meios de comunicação e que o Instituto Nacional condene o veto da campanha por parte da Associação de Profissionais por uma Publicidade Responsável.   Grupos de gays e lésbicas se lamentaram na terça-feira, 1, da decisão da associação para dosar as mensagens que tem a ver com temas como homossexualidade ou o HIV. Na Espanha, rostos de pessoas conhecidas, como o do juiz Grande-Marlaska, o escritor Boris Izaguirre e o apresentador Jesús Vázquez, aparecem na última campanha do Ministério da Saúde para prevenção da Aids entre homossexuais.

Tudo o que sabemos sobre:
AidsFrançahomossexuais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.