Gerard Julien/ AFP
Gerard Julien/ AFP

Casa Branca anuncia envio de 2 milhões de doses de hidroxicloroquina para o Brasil

Remédio tem sido defendido pelo presidente americano, Donald Trump, e pelo presidente Jair Bolsonaro como um tratamento para covid-19

Beatriz Bulla, correspondente do Estadão

31 de maio de 2020 | 18h26

WASHINGTON - A Casa Branca informou neste domingo, 31, que o governo americano enviou dois milhões de doses de hidroxicloroquina para o Brasil. O remédio tem sido defendido pelo presidente americano, Donald Trump, e pelo presidente Jair Bolsonaro como um tratamento para covid-19, apesar de estudos científicos não indicarem a eficácia da droga.

Bolsonaro já havia afirmado, na quarta-feira, que Trump enviaria os comprimidos do medicamento para o Brasil, em conversa com apoiadores na portaria do Alvorada.

Hospitais americanos têm reportado redução no uso do medicamento no tratamento da covid-19 depois que vários estudos sugeriram que o medicamento não é eficaz e representa um risco para os pacientes com a doença. A Vizient Inc, compradora de medicamentos para cerca de metade dos hospitais dos EUA, informou à agência Reuters que os pedidos de cloroquina caíram para um décimo do pico, registrado no final de março.

A droga, usada para tratamento da malária, foi inicialmente vista como esperança para a covid-19 e avidamente defendida por Trump e Bolsonaro. Os testes científicos feitos em humanos até o momento não comprovaram os benefícios e ao menos dois estudos sugerem que há aumento no risco de vida.

Em comunicado, a Casa Branca informou que a droga será usada para profilaxia para ajudar a proteger enfermeiros, médicos e profissionais de saúde brasileiros, e que também terá usado para terapia dos infectados.

A Casa Branca também confirmou que enviará "em breve" mil respiradores para o Brasil. A doação dos respiradores foi anunciada pelo chanceler Ernesto Araújo no mesmo dia que os Estados Unidos confirmaram que iriam restringir a entrada de pessoas que estivessem no Brasil, em razão do avanço da pandemia no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.