Casais que praticam swing têm maior risco de DST que prostitutas

Adeptos com mais de 45 anos são mais vulneráveis, mas ignorados pelos serviços de saúde

Reuters

24 Junho 2010 | 15h45

LONDRES - Cientistas afirmam que os 'swingers', casais heterossexuais que frequentemente trocam de parceiros e praticam sexo grupal em reuniões pré-agendadas, têm maior taxa de infecções por transmissão sexual que prostitutas.

 

Pesquisadores holandeses, que publicaram seus trabalhos no British Medical Journal, demonstraram que os 'swingers' mais velhos, ou seja, com mais de 45 anos, são particularmente vulneráveis, mas, no entanto, são um grupo muito ignorado pelos serviços de saúde.

 

Com uma população estimada de 'swingers' que alcança milhões de pessoas em todo o mundo, os cientistas relataram que existe o risco de que esse grupo não tratado possa agir como uma 'ponte de transmissão para toda a população'.

 

"Embora não haja estimativas precisas disponíveis, a população de 'swingers' é provavelmente grande ", afirma Anne-Marie Niekamp, que trabalhou no estudo com colegas da Universidade de Maastricht.

 

A equipe holandesa analisou o número de pacientes que buscaram tratamento em 2007 e 2008 em três clínicas saúde sexual em South Limburg. Os centros registraram se o paciente era 'swinger' desde o início de 2007, numa tentativa de controlar as taxas de infecções nesse grupo.

 

Durante o período estudado, houve pouco menos de 9.000 consultas nas três clínicas. Um em cada nove pacientes era 'swinger', com uma idade média de 43 anos.

 

De um modo geral, as taxas combinadas de clamídia e gonorreia foram de pouco mais de 10% entre os heterossexuais, 14% entre os homens gays, pouco menos de 5% entre prostitutas e 10,4% entre os 'swingers'. Neste subgrupo, as mulheres tinham mais infecções que os homens. Um em cada dez 'swingers' tinha clamídia e cerca de um em cada 20, gonorreia.

 

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível mais comum entre as mulheres, e 70% dos casos não têm sintomas. A infecção bacteriana pode levar a uma doença inflamatória pélvica, gravidez ectópica (fora do útero) e infertilidade. A gonorreia é outra infecção bacteriana que pode causar infertilidade se não tratada.

 

Anne-Marie acredita que, enquanto outros grupos de alto risco, como jovens heterossexuais, homossexuais e prostitutas, são relativamente fáceis de identificar e tratar, os 'swingers' são geralmente uma comunidade oculta.

 

"Isso faz com que eles sejam (um grupo) de acesso muito difícil", disse em entrevista por telefone. "Como estão muito escondidos e de certa forma estigmatizados, é difícil para eles serem analisados e tratados das doenças sexualmente transmissíveis ", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
swing British Medical Journal DST

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.