Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Colômbia reforça suspeita de elo entre zika e microcefalia

Pesquisadores acreditam que confirmação de caso deva contribuir para dissipar ‘teorias da conspiração’ sobre a má-formação

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

26 de fevereiro de 2016 | 03h00

A confirmação do primeiro caso de microcefalia possivelmente ligada ao vírus da zika na Colômbia – segundo país com mais casos de infecção no continente – já era esperada pelos cientistas e derruba as teses de que algum outro fator poderia estar potencializando o vírus no Brasil, de acordo com pesquisadores ouvidos pelo Estado

O Instituto Nacional de Saúde (INS) da Colômbia relatou nesta quarta-feira, 24, o caso de uma jovem de 18 anos, em Popayán, no sudoeste do país, que fez um aborto depois que os médicos comprovaram que o feto tinha “anomalia congênita incompatível com a vida”. A mulher estava sob supervisão médica por antecedente de infecção por zika. A coleta da amostra de líquido amniótico deu positivo para a transmissão do vírus da mãe para o filho, segundo o INS. 

Para José Eduardo Levi, professor da USP e chefe do Departamento de Biologia Molecular do Hemocentro de São Paulo, a ligação entre zika e casos de microcefalia na Colômbia já era esperada. “Era preciso ser prudente antes de afirmar isso, mas acreditávamos que o surgimento da microcefalia associada ao zika em território colombiano era apenas questão de tempo. A zika chegou antes em território brasileiro e provavelmente o vírus foi daqui para a Colômbia. Apenas por essa razão os casos de microcefalia ligada ao zika demorariam mais para aparecer por lá”, afirmou Levi.

Segundo ele, a confirmação do caso colombiano reforça o elo entre o vírus e a doença. “É um dado importante do ponto de vista epidemiológico. É péssima notícia que a microcefalia tenha sido ligada ao zika na Colômbia, mas isso permite que tratemos a questão com mais transparência e o foco vá para o vírus, em vez de ficarmos procurando outras causas”, explicou.

De acordo com Maurício Lacerda Nogueira, virologista da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), a confirmação ajuda a descartar as “teorias da conspiração” que associavam a microcefalia a larvicidas, vacinas e outros fatores alheios ao vírus. “Muita gente questionava o elo por causa da ausência de casos na Colômbia. Eu costumava responder que eles surgiriam, infelizmente, bastava esperar.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.