Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Casos de covid-19 mais que dobraram em 9 dias entre militares, chegando a 912 oficiais

Quatro militares morreram em decorrência do coronavírus e 185 foram curados

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2020 | 11h31

BRASÍLIA — Até a última sexta-feira, dia 24 de abril, 912 militares das Forças Armadas testaram positivo para a covid-19. Quatro militares morreram em decorrência da doença e 185 foram curados. A informação foi obtida pelo 'Estado' junto ao Ministério da Defesa

No momento, mais de 29 mil homens e mulheres do Exército, da Marinha e da Aeronáutica estão trabalhando em diferentes pontos do país participando da Operação Covid-19, deflagrada em 20 de março. Em nove dias, o número de militares contaminados mais do que dobrou, assim como o de curados. Em 15 de abril, 448 militares tinham testado positivo, três deles tinham morrido e 90 tinham sido curados.

Um dos lugares onde houve aumento do número de contaminados foi em Roraima, onde o pessoal das três forças está envolvido com a Operação Acolhida, ação humanitária de atendimento a refugiados da Venezuela. Embora o Ministério da Defesa não informe a distribuição de pessoas que contraíram a doença por força ou localidade, e nem a situação delas, segundo informações obtidas pelo Estado, dos cerca de 600 militares que atuam na operação, mais de 70 contraíram a doença em Roraima, nenhum em estado grave.  O general Antonio Manoel de Barros, que comanda a Operação Acolhida, também testou positivo, mas já se recuperou.

Além dos laboratórios químicos e farmacêuticos do Exército terem aumentado a produção de álcool em gel e de cloroquina – substância que apresentou alguns resultados positivos no combate ao coronavírus, mas que e é alvo de controvérsia de seu uso pelos médicos, no tratamento à doença – os militares atuam ainda na desinfecção de espaços públicos, doação de sangue, transporte de materiais de saúde, entre outras missões. Também estão produzindo máscaras de tecido, toucas e aventais descartáveis, para a proteção de suas tropas da covid-19. Trabalham ainda na arrecadação e distribuição de alimentos para famílias de baixa renda, impedidas de trabalhar pelo isolamento social.

De acordo com a Defesa, “qualquer eventual suspeita de exposição de militar ao novo coronavírus ou com quaisquer sinais da doença são prontamente avaliados e, caso a avaliação revele que houve exposição ao vírus, o militar é colocado em isolamento”. A nota da Defesa informa ainda que “a preocupação com a preservação da saúde dos militares assegura que as Forças Armadas possam continuar a cumprir sua missão e seu compromisso com o País, inclusive no combate ao novo coronavírus”.

As Forças Armadas têm, na ativa, cerca de 360 mil homens e mulheres. São 215 mil no Exército, 80 mil na Marinha, 64 mil na Aeronáutica, distribuídos em todo o País. 

Hospital das Forças Armadas

No Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, onde o presidente Jair Bolsonaro costuma fazer exames e já fez pelo menos duas visitas depois que estourou a pandemia do coronavírus, até sexta-feira, 20 pacientes foram recuperados da doença e não houve óbito decorrente da covid-19.

A Defesa informou ainda que o HFA montou uma estrutura com dois contêineres e uma barraca para realização de triagem dos pacientes com suspeita de coronavírus, “minimizando a possibilidade de contaminação através de fluxos distintos”. A triagem dispõe de uma câmera termal que afere a temperatura do paciente, à distância, permitindo a distribuição de pacientes de acordo com o caso a ser tratado. 

No HFA, há dois andares específicos para tratamento do coronavírus e até o momento, o hospital não registrou nenhuma contaminação interna, segundo informa a Defesa. Questionado se o hospital estava usando cloroquina em seus pacientes, o Ministério disse que “a administração dos medicamentos depende do quadro de saúde de cada paciente e das possíveis comorbidades preexistentes, seguindo os protocolos oficiais estabelecidos”.

O hospital atende militares e seus dependentes, além de funcionários da Presidência da República e do Ministério da Defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.