DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Casos de dengue crescem 432% no País; chuva e atraso do frio prolongam surto

Brasil registrou 767 mil suspeitas de infecção e 222 mortes até 11 de maio. Proteção imunológica da população é menor para tipo 2 do vírus, que voltou a se espalhar

Naira Trindade e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2019 | 03h00

BRASÍLIA E SOROCABA - A investigadora de polícia Juliana Gonçalves, de 41 anos, ficou dois dias de cama por causa da dengue no mês passado. “As dores passaram, mas ainda tenho manchas vermelhas pelo corpo. Foi horrível.” Além dela, três colegas de trabalho foram infectados. “Tenho certeza que os mosquitos vêm de um rio ao lado da delegacia”, diz Juliana, de Caraguatatuba, litoral norte paulista. Mesmo dois meses após o fim do verão, a doença no País ainda preocupa: do início do ano até o último dia 11, o total de registros foi 432% maior, ante o mesmo período de 2018.

O salto foi de 144 mil casos prováveis de infecção para 767 mil suspeitas reportadas. As mortes pelo vírus também saíram de 88 a 222 – a maior parte (80) em São Paulo. O número de infectados explodiu em 20 Estados e no Distrito Federal. 

Há quatro sorotipos do vírus. A epidemia e a incidência maior nesses Estados são explicadas pela disseminação do tipo 2, diz o coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária e das Doenças Transmitidas pelo Aedes do Ministério da Saúde, Rodrigo Said. “As últimas epidemias foram pelos vírus 1 ou 4”, diz. “Esse sorotipo (2), que circulava pouco e por isso havia pequena proteção imunológica, voltou agora e deixou a população mais suscetível.”

O clima, segundo Said, também tem papel importante. Chuvas intensas nas últimas semanas fizeram larvas do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, eclodirem. Além disso, temperaturas mais altas criam condições favoráveis ao inseto.

“Enquanto não esfriar para valer, os casos vão continuar”, diz Regiane de Paula, do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde de São Paulo. O fenômeno climático El Niño, segundo ela, está fazendo com que o frio demore mais a entrar este ano no Sudeste. 

Até o último dia 15, só quatro das 645 cidades paulistas não notificaram casos. Mais grave é o quadro de Bauru, com 19,7 mil infectados e 21 óbitos. 

Em Tupã, onde o surto levou à cassação do prefeito (leia abaixo), o autônomo Valdecir Freitas, a mulher e o filho de 13 anos foram infectados. “Mantenho tudo limpo, mas tem terrenos baldios com lixo. Pagamos pelo descuido de outros”, reclama. 

Com a expectativa de inverno tardio e curto, cresce a necessidade de manter ações contra criadouros de Aedes. Segundo o ministério, mais de 80% dos mosquitos vêm de áreas residenciais. Outras cidades mantiveram no outono o uso do inseticida (fumacê). A estratégia, para matar o Aedes adulto, é considerada menos eficaz que eliminar a água parada, que evita o nascimento do transmissor. 

O ministério diz ter 300 mil litros de inseticida vencidos e que, segundo informações preliminares recebidas esta semana, não estão adequados para uso. Segundo Said, as amostras desse produto foram encaminhadas a um laboratório credenciado, mas as respostas recebidas esta semana não foram favoráveis ao uso do produto. 

Tão logo apareceram os primeiros sintomas, a ex-senadora Marina Silva (Rede) procurou um hospital em Brasília. As dores fortes pelo corpo e na cabeça ajudaram a antecipar o diagnóstico confirmado mais tarde por exame: dengue. Na capital do País, onde as ocorrências aumentaram mais de 1.200%, o governo espalhou seis postos temporários em áreas de maior incidência. Lá, são aplicados testes e há assistência prestada por médicos, enfermeiros e técnicos. 

Infectada pela segunda vez por dengue, Marina ficou três dias internada na última semana. No Twitter, lembrou ser “mais uma entre milhares”. Segundo a assessoria de imprensa da ex-senadora, ela passa bem. 

A nova infecção, como ocorreu com Marina, traz risco ainda maior. “A disposição sucessiva ao vírus e uma segunda infecção podem ocasionar manifestações mais graves e até óbito”, alerta Said, do ministério. 

O Departamento Médico da Câmara dos Deputados atendeu 88 pacientes com suspeita de dengue entre 1° de abril e 29 de maio deste ano. Sob a alegação de sigilo médico, o departamento não distingue quantos são servidores ou parlamentares, nem divulga nomes dos pacientes. Por causa da alta incidência de casos na capital federal, o governo local adotou como estratégia espalhar seis postos temporários em áreas de maior incidência. A assistência é prestada por médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Epidemia foi motivo para cassar prefeito

O surto de dengue este ano custou até o cargo do prefeito de Tupã (SP), José Ricardo Raymundo (PV). Ele foi cassado pela Câmara dos Vereadores na última semana, acusado de omissão no combate à doença, após denúncia aberta por um munícipe. Na cidade de 76 mil habitantes, houve 4.118 casos e seis mortes. 

Raymundo, que aguarda análise de recurso, diz que o afastamento é uma retaliação política e afirma ter feito ações preventivas. Para o especialista em Direito Administrativo Márcio Leme, a Justiça tende a reverter cassações do tipo, com motivo frágil, e respeitar o mandato eletivo. 

Em dezembro, o ex-prefeito de Aguaí (SP) Sebastião Biazzo foi condenado por improbidade administrativa pela Justiça por suposta omissão no combate à dengue entre 2014 e 2015. Ele aguarda análise de recurso pelo Superior Tribunal de Justiça.

Cuidados e riscos

Prevenção

A maioria dos focos de Aedes está em casas. É importante evitar acúmulo de água em garrafas, vasos, calhas, lajes e piscinas, onde ele coloca ovos.

Condições 

A permanência de chuvas e temperaturas mais altas favorece a reprodução do mosquito e leva à necessidade de ficar atento aos criadouros mesmo após o verão.

Sintomas

Dores no corpo e de cabeça, cansaço, febre alta e manchas na pele são comuns entre os infectados. Em casos mais graves, pode haver sangramento por nariz ou boca, além de vômito contínuo.

Outras doenças

O Aedes também transmite os vírus da zika e da chikungunya, cujos sintomas podem se confundir com os sinais da dengue.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.