Divulgação
Divulgação

Casos suspeitos de febre amarela em Minas Gerais sobem para 152

No Estado, foram registradas 47 mortes - 22 delas têm como causa provável a infecção pela doença

Leonardo Augusto e Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

16 Janeiro 2017 | 18h18

Subiu para 47 o número de mortes suspeitas por febre amarela em Minas Gerais. O número, divulgado nesta segunda-feira, 16, pela Secretaria de Estado de Saúde registra nove óbitos a mais que o último levantamento, de sexta-feira, 13. Entre as 47 mortes informadas, 22 têm como causa provável a infecção pela doença. O total de notificações também aumentou, de 133 na sexta para 152. A cidade que registrou o maior número de mortes (8) é Ladainha, município de aproximadamente 20 mil habitantes, no Vale do Mucuri, que está dentro de uma das quatro regionais de saúde do Estado que tiveram situação de emergência decretada por causa da doença.

Segundo informações da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) estão internados em Belo Horizonte, no Hospital Eduardo Menezes, 23 pacientes com suspeitas de terem contraído a doença. Todos do interior. Dois estão na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). O hospital registrou nos últimos quatro dias quatro mortes também por suspeita da febre amarela. Porém, conforme a secretaria de saúde, não há como confirmar que esses óbitos já estejam computados nos falecimentos já anunciados, pelo tempo de notificação, que ocorre no município em que o paciente deu entrada no sistema de saúde.

O decreto de situação de emergência, publicado no Diário Oficial de Minas Gerais na sexta-feira, 13, vale para quatro regionais de saúde do Estado. Governador Valadares (Leste), Teófilo Otoni (Vale do Mucuri), Coronel Fabriciano (Vale do Aço) e Manhumirim (Zona da Mata), abrangendo 152 municípios. O decreto possibilita, segundo o governo, "a adoção de medidas administrativas necessárias à contenção do surto, em especial à aquisição de insumos materiais e à contratação de serviços estritamente necessários ao atendimento da situação emergencial". Com o decreto, fica autorizado, por exemplo, compra de medicamentos sem licitação.

Dos 152 municípios da área de abrangência do decreto, 26 registram notificação para a doença, casos prováveis (quando há indícios de contaminação mas é necessária a realização de exames) ou a presença de macacos mortos. Óbitos desses animais em curto período e em grande número apontam para suspeita da incidência de febre amarela. Também nesse caso, Ladainha é a que apresenta maior número de notificações, 36.

 

 

Veja a seguir perguntas e respostas sobre a febre amarela: 

1. Por que a doença está de volta?

Os primeiros sinais de que a febre amarela estava novamente ultrapassando a região amazônica começaram em 2014. Foi nesse período, de acordo com o Ministério da Saúde, que o País passou a ter uma "reemergência" da doença. Desde então, entre 2015 e 2016, foram confirmados 15 casos, com 10 mortes. As notificações foram feitas em Goiás, Pará, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Pará e São Paulo. 

O vírus de febre amarela nunca deixou de circular no Brasil na forma silvestre. A cada ciclo de aproximadamente 7 anos, no entanto, há um aumento de casos em áreas que ultrapassam a região da Amazônia. O fenômeno está associado a mudanças na população suscetível. 

A última onda de casos em humanos ocorreu em 2009, quando a doença atingiu o Rio Grande do Sul, Estado que por 42 anos estava livre da doença. Na ocasião, 13 casos foram confirmados, com seis mortes. 

2. Como é transmitida?

Pela picada de mosquitos portadores do vírus de febre amarela. Em regiões de campo e floresta, o principal mosquito transmissor é o Haemagogus. O vírus também pode ser transmitido pelo Aedes aegypti, na forma urbana da doença. Casos de transmissão urbana, no entanto, não são registrados no País desde 1942. 

3. A febre amarela é transmitida de pessoa para pessoa?

Não.

4. Qual é o papel de primatas na transmissão?

Primatas podem se contaminar com o vírus, exercendo também o papel de hospedeiros. Se picados, os animais transmitem o vírus para o mosquito, aumentando, assim, as chances de propagação da doença.

5. Quais sintomas provocados pela febre amarela?

A febre amarela é classificada como uma doença infecciosa grave. Ela provoca calafrios, dor de cabeça, dores nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Os primeiros sintomas aparecem entre 3 a 6 dias depois da infecção. 

6. Qual é a evolução da doença?

Para maior parte dos pacientes, os sintomas vão perdendo a intensidade a partir do 3º ou 4º dia da infecção. Em alguns casos, no entanto, a doença entra em sua fase considerada tóxica. 

7. O que ocorre nos casos graves?

Cerca de 10% dos pacientes desenvolvem a forma grave da doença. Ela geralmente ocorre depois de um período breve de melhora dos primeiros sintomas da doença. A febre reaparece, há hemorragias, insuficiência hepática, insuficiência renal. Um dos sintomas é a coloração amarelada da pele e do branco dos olhos. Também não é incomum pacientes apresentarem vômito com sangue, um sintoma da hemorragia. Cerca de 50% dos pacientes que desenvolvem a forma grave da doença morrem num período entre 10 e 14 dias.

8. Qual é o tratamento para a doença?

Não há um tratamento específico para febre amarela. A medida mais eficaz é a vacinação, para evitar a contaminação da doença.

9. Posso me vacinar a qualquer hora?

Sim, a imunização é oferecida na rede pública de saúde e pode ser procurada a qualquer momento do ano. Oito Estados estão fora da área com recomendação para vacinação: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Rio de Janeiro. Mesmo assim, é possível se vacinar nos postos de saúde desses Estados.

10. Quais são as reações possíveis à vacina?

Os efeitos colaterais graves são raros. Mas 5% da população pode desenvolver sintomas como febre, dor de cabeça e dor muscular de 5 a 10 dias. É infrequente a ocorrência de reações no local da aplicação.

 

Mais conteúdo sobre:
Minas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.