Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tatiana Fortes/Governo do Ceará
Tatiana Fortes/Governo do Ceará

Ceará tem municípios em colapso por falta de oxigênio, diz associação

No Estado, 40% dos municípios relatam 'situação crítica' no abastecimento do insumo

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2021 | 18h54

Brasília - No momento em que a pandemia avança pelo País, com explosão de internações, 74 municípios do Ceará (40% do total) relatam “situação crítica” no abastecimento de oxigênio. Outras 10 cidades (5%) dizem estar em colapso pela falta de insumo.

O levantamento é da Associação dos Municípios do Ceará (Aprece) e foi apresentado ao Ministério Público estadual na segunda-feira, 8. A falta de oxigênio colocou o Amazonas em colapso em janeiro e causou mortes por asfixia. Nas últimas semanas, porém, o quadro da pandemia piorou em praticamente todo o País.

A pesquisa afirma que apenas 10 cidades estão “em condição normal, mas no limite”. A taxa de ocupação de leitos de UTI adulto no Ceará é de 93,82%. Há 447 mil casos confirmados no Estado e 11.753 mortos pela covid-19 desde o começo da pandemia.

A Aprece afirma que o levantamento foi feito por meio de uma enquete com os municípios, mas que faltam dados mais detalhados. Não foram divulgados dados sobre quais cidades estão em colapso. 

Em nota, o presidente da associação, Júnior Castro, afirma que “tem recebido uma série de demandas de municípios que relatam dificuldades no abastecimento de oxigênio voltado para a atendimento de pacientes com Covid-19.”

A entidade realizou uma reunião na segunda-feira com o MP e fornecedores de oxigênio. No encontro, o representante da fabricante White Martins disse que os municípios precisam apresentar uma estimativa do oxigênio que será utilizado, mas alertou que a produção feita no Ceará “está quase no limite”.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Ceará afirma que "estabeleceu um planejamento de suprimento de oxigênio hospitalar", o que teria garantido o fornecimento para todas as unidades da rede de hospitais do Estado. "Este suprimento tem como base de cálculo números cinco vezes maiores que a demanda máxima do pico da pandemia de covid do ano passado", afirma o órgão, que não informou quais municípios estariam em colapso.

O governo cearense afirma ainda que "provocou" todos os prefeitos e gestores de hospitais que não pertencem à rede do Estado "a fazerem o mesmo planejamento". A Saúde disse ainda que, se preciso, pode ajudar com transferências de pacientes de regiões mais críticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.