Células cancerígenas de ratos inibem câncer em humanos, diz estudo

Nova tecnologia 'altera os processos da doença e utiliza os mecanismos de defesa natural do corpo'

Efe,

26 Janeiro 2011 | 09h29

NOVA YORK - Pesquisadores do instituto Rogosin, em Nova York, conseguiram demonstrar, pela primeira vez na história, como células cancerígenas dos rins de ratos inibem ou paralisam o câncer nos seres humanos, segundo um estudo publicado nesta terça-feira, 26, na edição digital da revista Cancer Research.

 

Veja também:

link Bloquear gene rebelde pode impedir câncer de se espalhar

link Câncer contagioso usa DNA do hospedeiro para consertar mutações

 

"Este tratamento contém a promessa de uma nova opção para o tratamento contra o câncer porque utiliza os mecanismos biológicos" e evita os problemas da quimioterapia, afirmou o diretor dessa instituição científica e principal autor dos estudos, Barry Smith, em comunicado.

 

Estas pesquisas determinam que células cancerígenas de ratos inseridas em cápsulas de agarose, um elemento natural extraído das algas, e implantadas no abdômen de pacientes com câncer conseguem desacelerar ou paralisar o crescimento dos tumores.

 

A primeira fase de um estudo com experiências em mais de 30 pacientes com câncer em fase avançada e resistentes ao tratamento já "avaliou a segurança" do método, enquanto uma segunda etapa em pacientes com câncer de cólon, pâncreas e próstata ainda está em andamento.

 

As experiências também foram realizadas em 40 cachorros e gatos com tumores na próstata, no fígado e na mama. Os resultados incluem "a paralisação da expansão do tumor ou, em alguns casos, sua a eliminação".

 

"Os resultados de nossa pesquisa demonstram que esta aproximação não é específica para um tipo de tumor ou uma espécie, mas, por exemplo, células de ratos podem ser utilizadas para tratar diferentes tumores nos seres humanos e células humanas podem ser usadas para tratar diferentes tumores em animais", ressaltou Smith.

 

O instituto Rogosin iniciou sua pesquisa com o desenvolvimento da tecnologia para a criação das cápsulas de agarose.

 

"Muitos dos tratamentos que existem hoje em dia são limitados", afirmou, por sua vez, o executivo-chefe da Metromedia Bio-Science, Stuart Subotnick, que participa com o instituto Rogosin no projeto.

 

Subotnick acrescentou que esta nova tecnologia "altera os processos da doença e utiliza os mecanismos de defesa natural do corpo".

Mais conteúdo sobre:
câncerpesquisatratamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.