Cerca de mil mulheres são julgadas por aborto no MS

150 já foram indiciadas e 26 condenadas, realizando trabalhos para entidades filantrópicas como pena

João Naves de Oliveira, de O Estado de S. Paulo,

17 de novembro de 2008 | 18h04

Quase mil mulheres estão sendo indiciadas e julgadas pela prática de aborto em uma clínica de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Segundo a delegada que preside os inquéritos, Regina Márcia Rodrigues, de julho último até este mês, 150 já foram indiciadas e os processos são encaminhados para o juiz Aluízio Pereira dos Santos, que já condenou algumas das acusadas a penas alternativas. Leia reportagem completa na edição desta terça-feira de O Estado de S. Paulo "È uma situação é muito constrangedora", afirma uma das indiciadas acrescentando que "eles vão fundo nos interrogatórios". Santos concorda, explicando que é necessário invadir a privacidade nesses casos, procurando detalhes da vida sexual e não raras vezes exigir exame de corpo de delito, ouvir namorados, familiares entre outros procedimentos que a questão exige. Das 150 indiciadas que passaram por interrogatório, 37 foram julgadas e 26 condenadas, realizam trabalhos para entidades filantrópicas.

Tudo o que sabemos sobre:
abortoMato Grosso do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.