Helcio Nagamine|Estadão
  Helcio Nagamine|Estadão

  Helcio Nagamine|Estadão

Cérebro e intestino: por que a saúde de um depende do outro para o corpo funcionar bem

O órgão é muito mais do que o responsável pela digestão; uma rotina de estresse impacta – e muito – na forma como ele regula o organismo

Marina Mori , Especial para o Estadão

Atualizado

  Helcio Nagamine|Estadão

A vida parecia estar fazendo uma brincadeira de mau gosto com Meillyn Lemos, de 41 anos, quando a psicóloga e mentora comportamental de alimentação começou a ter problemas gástricos em 2017. Não era como se ela desconhecesse o fato de que uma rotina agitada, estresse e, vá lá, de vez em quando umas embalagens práticas no lugar de refeições completas causariam problemas a longo prazo. Seu trabalho era justamente evitar que isso acontecesse com outras pessoas.

Levou anos até que seu corpo reagisse, mas a conta chegou. Meillyn desenvolveu a Síndrome do Intestino Irritável (SII), que depois evoluiu para uma úlcera intestinal. “A ansiedade foi o ponto alto do meu problema. Tive esse diagnóstico num momento muito puxado de trabalho e isso acabou prejudicando o meu organismo”, conta a curitibana, que precisou de um tratamento com medicamentos e uma revolução na alimentação para melhorar. 

Se hoje a relação entre saúde mental e saúde intestinal é reconhecida até por quem não trabalha na área, essa realidade ainda estava ganhando terreno na medicina quando Meillyn apresentou os primeiros sintomas de ansiedade e mal-estar gástrico há quatro anos. A ideia do intestino como “segundo cérebro” começava a pairar no ar. “Apesar de conhecermos há dois mil anos a frase de Hipócrates que cita que toda doença começa no intestino, foram nas últimas três décadas que a gastroenterologia como ciência se transformou”, diz Luísa Leite Barros, gastroenterologista do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Segundo a médica, não faz muito tempo que diversas doenças eram consideradas sem causa definida, como a Síndrome do Intestino Irritável. É por isso que o conhecimento sobre a fisiologia do nosso órgão digestivo e o papel da microbiota, o universo de microrganismos que habitam todos os espaços possíveis do intestino humano, foram fundamentais para tratamentos mais assertivos. “Agora entendemos que a SII se trata de uma desordem do eixo cérebro-intestino-microbiota”, explica Barros. 

Dupla dinâmica

Esse tal eixo depende do bom funcionamento de cada engrenagem para rodar plenamente. Afinal, tudo se conecta: uma alimentação equilibrada mantém o intestino forte e, por consequência, as emoções equilibradas – é nesse órgão que 95% da serotonina, um dos hormônios do bem-estar, é produzida, assim como outros hormônios que têm influência na melhora da depressão. Na outra ponta, uma mente relaxada ajuda a manter o cérebro autônomo, sem depender tanto do intestino para realizar suas tarefas diárias. 

Você deve estar se perguntando como funciona essa “dependência”. Parte dela tem a ver com o estresse, um dos estímulos mais importantes na comunicação entre os dois órgãos. Quem explica o assunto de forma didática e divertida é a gastroenterologista alemã Giulia Enders, autora best-seller O Discreto Charme do Intestino (WMF Martins Fontes, 2015). “Ao perceber um grande problema, como a pressa ou a irritação, nosso cérebro vai querer resolvê-lo. Para tanto, precisa de energia, que tomará emprestada sobretudo do intestino”, descreve a médica no livro. O que acontece então é que a energia que seria usada para a nossa digestão acaba sendo redirecionada a outra parte do corpo. 

Em tese, não faz mal se esse processo ocorrer uma vez ou outra. O problema é quando o cérebro passa a abusar da boa vontade do nosso órgão digestivo, brinca Enders. “O intestino também enviará sinais desagradáveis ao cérebro – do contrário, a situação não mudará. Desse modo, podemos nos sentir mais cansados ou sem apetite, ter mal-estar ou diarreia”, escreve. As consequências costumam chegar com o tempo, assim como aconteceu com Meillyn: menor circulação no intestino, afinamento das paredes intestinais e sensibilidade crescente. O segundo passo é a concretização da doença. 

Sensível a impactos externos

No mundo, estima-se que 5 milhões de pessoas sofrem com doenças inflamatórias intestinais (DII), segundo a Sociedade Brasileira de Coloproctologia, a SBCP. Mas mesmo quem não tem nenhum problema relacionado ao intestino pode sentir os impactos de uma microbiota desregulada. Por ser um órgão extremamente inervado, é sensível a variações ambientais como dieta, tabagismo e ansiedade. “O próprio estresse gera toxinas que acabam inflamando o intestino e favorecendo o surgimento de bactérias ruins. Se ele não está saudável, não absorve nutrientes. Então mesmo que você coma de forma equilibrada, o órgão não consegue trabalhar como deveria”, explica a nutricionista e pesquisadora Aline Quissak.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O próprio estresse gera toxinas que acabam inflamando o intestino e favorecendo o surgimento de bactérias ruins. Se ele não está saudável, não absorve nutrientes. Então mesmo que você coma de forma equilibrada, o órgão não consegue trabalhar como deveria
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Aline Quissak, nutricionista e pesquisadora

Começa, então, um ciclo difícil de quebrar. “Você passa a ter desconfortos na digestão, com sensação de estufamento e cólicas, e isso afeta o seu humor. Por conta disso, é provável que você não durma bem. Mas é durante o sono que ocorre a regulação hormonal, então como resolver a situação?”, questiona a nutricionista. A resposta está justamente no órgão tubular que preenche nossa barriga com seus quase seis metros de comprimento e quatro centímetros de diâmetro: intestino.

Alimentação é fundamental

Segundo Aline, o primeiro passo para começar a recuperação é cicatrizar o intestino. “Esse protocolo leva pelo menos 10 dias e é um preparo para a próxima etapa. Consiste em ingerir suco de aloe vera específica para consumo, em jejum, e, ao longo do dia, alimentos que fermentem pouco”, sugere a especialista. Infusões digestivas entre as refeições, como erva-doce, camomila e noz-moscada, além de vegetais, legumes amarelo-alaranjados e frutas vermelhas também entram na rotina. 

Qualquer sintoma gástrico pode ser um ponto de partida, como refluxo, gastrite e constipação, mas pessoas com doenças autoimunes também podem se beneficiar muito do protocolo. Essa foi a base do tratamento de Meillyn. “Melhorei 70% só com a mudança na alimentação e foco em alimentos anti-inflamatórios. A ansiedade também diminuiu muito quando passei a fazer os chás e as combinações certas”, conta a psicóloga. 

Mas é importante deixar claro que todo esse processo deve ser orientado por um especialista e não substitui o tratamento medicamentoso para cada doença. “A dieta anti-inflamatória é adjuvante no manejo clínico do paciente. Vale lembrar também que a busca por hábitos alimentares saudáveis faz parte de uma mudança de estilo de vida, com prática de atividades físicas”, pontua a gastroenterologista.

O hábito de manter os exercícios físicos na rotina, inclusive, ajuda diretamente na melhora de doenças inflamatórias. “Eles aumentam a capacidade de resposta do sistema imunológico porque liberam citocinas e também agentes anti-inflamatórios que vão ajudar em todo esse processo”, explica a nutricionista e personal trainer Tais Rímoli. 

O poder das bactérias

Quanto mais a ciência se aprofunda nas vilosidades do intestino, mais ela descobre o poder de influência das bactérias que moram dentro de nós. Não à toa, a palavra microbiota tem sido utilizada no lugar de flora intestinal e significa “pequena vida”. O termo se refere aos microrganismos que habitam o intestino humano desde o primeiro dia de vida das pessoas. 

Cada adulto tem cerca de 14 trilhões deles – entre bactérias, vírus e fungos que são responsáveis pela digestão, processamento dos nutrientes e interação com o sistema imunológico. “A composição da nossa microbiota molda tanto o padrão de resposta inflamatória saudável quanto pode predispor a doenças”, explica a gastroenterologista Luísa Leite Barros, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Já é consenso, por exemplo, que o consumo excessivo de açúcar, bebidas alcoólicas e cigarro estimula a disbiose – o crescimento das cepas “ruins”, que causam estufamento, entre outros sintomas, e não ajudam em nada o organismo. Por isso, é importante manter fortes as “boas”, capazes de ajudar em diversas questões de saúde – desde a melhora da pele, em casos de acne e dermatites, até como ajuda no tratamento de transtornos mentais, como depressão, ou doenças neurológicas, como Parkinson. 

“Recentemente, a interface entre a Gastroenterologia e a Neuropsiquiatria convergiu para uma nova disciplina chamada Neurociência entérica. Há evidência robusta na literatura da relação entre as disfunções da microbiota e essas doenças”, diz Barros.

Entram na conversa os prebióticos e probióticos, cada qual com seu papel. Enquanto os primeiros são carboidratos não digeríveis que servem de alimento para as nossas bactérias intestinais (pense em banana verde, aspargos e cebola, por exemplo), os segundos são os microrganismos vivos que, quando ingeridos corretamente, podem fazer bem à saúde. 

Em seu livro, a médica alemã Giulia Enders fala sobre o uso de probióticos específicos na diminuição dos efeitos fisiológicos causados pelo estresse, como a produção de hormônios como cortisol, dores abdominais de fundo nervoso, enjoo e diarreia. A autora cita um estudo irlandês que usou bifidobactérias específicas (a Bifidobacterium longum 1714) para tentar reduzir o estresse de algumas pessoas. 

Ao longo de oito semanas, participantes foram divididos em dois grupos: ambos realizaram atividades e relataram seu estado emocional diariamente, mas apenas uma parte ingeriu os probióticos todos os dias. Na metade do período, essas pessoas tiveram o estresse diário reduzido em 15%, comparado ao grupo que recebeu placebo. 

A ansiedade está  tirando seu sono? A alimentação ajuda

Experimente consumir a combinação abaixo 40 minutos antes de dormir, por algumas semanas. A dica é da nutricionista Aline Quissak. 

 

  • 1 xícara de chá de melissa (ou erva-cidreira), para ativar o Gaba, neurotransmissor do relaxamento;
  •  1 fruta rica em vitamina C (goiaba, se você tiver intestino solto, e kiwi, se preso), indicada para diminuir o cortisol, hormônio do estresse;
  • 2 castanhas-do-pará, que ajudam na produção de melatonina, hormônio que auxilia na indução do sono.

Cardápio: o que colocar e o que evitar  

Escolher o que comer é fundamental para garantir boa saúde intestinal e mental 

 Alimentos inflamatórios 

  • Ultraprocessados (bebidas açucaradas, refrigerantes, salgadinhos, carne processada, macarrão instantâneo)
  • Óleos vegetais (caso de soja, algodão, milho, canola e girassol)
  • Cereais refinados: pães, massas e biscoitos em geral
  • Carnes suínas e bovinas com muita gordura;
  • Leites e derivados integrais 
  • Bebidas alcoólicas
  • Açúcares
  • Frituras

Melhores alimentos anti-inflamatórios 

  • Peixes (salmão, atum, arenque, sardinha e cavalinha) 
  • Oleaginosas (castanhas, amendoim, nozes)
  • Sementes e grãos integrais
  •  Frutas vermelhas e ricas em vitamina C (morango, amora, acerola)
  • Azeite de oliva extravirgem, azeitonas 
  • Legumes e vegetais
  • Chás de ervas 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.