Agência Brasil/Divulgação
Agência Brasil/Divulgação

CFM rebate crítica sobre ‘taxa’ de parto

Chioro questionou o parecer do conselho, de 2012, que libera médicos para adotar cobrança para acompanhamento de gestantes

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2015 | 22h02

BRASÍLIA - O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) divulgaram nesta quinta-feira, 8, nota para rebater as críticas feitas pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, sobre a cobrança de uma taxa para acompanhamento de gestantes, no caso de elas optarem pelo parto normal.

Na terça, Chioro criticou o parecer do conselho, de 2012, que libera médicos para adotar a prática. Para o ministério, ela é ilegal, deve ser denunciada e inibe a redução da cesariana.

Na nota, CFM e Febrasgo dizem lamentar o desconhecimento da pasta sobre o assunto. Afirmam, ainda, que o parecer não tem caráter coercitivo e que é uma resposta a uma consulta formulada pela própria Agência Nacional de Saúde Suplementar sobre o tema. “Se o acordo é feito, o profissional recebe honorários do parto somente da paciente. Não há dupla cobrança. O plano não paga”, disse o presidente do CFM, Carlos Vital.

As afirmações do ministro foram feitas no lançamento de um pacote para tentar reduzir os indicadores de cesárea. 

Mais conteúdo sobre:
CFM Arthur Chioro parto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.