Reuters
Reuters

China admite ‘falhas e deficiências’ para atender surto de coronavírus

Pela 1ª vez, Pequim reconhece problemas no combate ao surto; governo exige restrições a mercados de animais vivos e amplia isolamento

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2020 | 12h23
Atualizado 01 de abril de 2020 | 16h44

PEQUIM - Pela primeira vez o governo da China admitiu “insuficiências” em sua resposta ao surto do novo coronavírus, que já matou 490 pessoas no país desde dezembro. O Comitê Permanente de Bureau Político do Partido Comunista pediu melhorias no sistema de reação a emergências diante de “deficiências e dificuldades na resposta à epidemia”.

LEIA TAMBÉM >Rios roubados

Na noite desta segunda-feira, 3, diante do rápido avanço da doença, a cúpula do partido se reuniu em encontro comandado pelo presidente chinês, Xi Jinping. As deliberações da reunião foram divulgadas pela agência oficial do governo, a Xinhua.

A China vem sendo pressionada internacionalmente a dar respostas ágeis à epidemia e divulgar ações com transparência. O temor é que se repita o que ocorreu em 2002 e 2003, com a epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), quando cerca de 800 pessoas morreram em todo o mundo. Na época, Pequim negou a existência do vírus, mesmo com a propagação pelo país e no exterior.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O comitê do partido exigiu esforços para reprimir mercados ilegais de animais silvestres, a fim de enfrentar o problema na origem. A suspeita é que o novo coronavírus tenha surgido em um mercado de frutos do mar, em Wuhan, onde também eram vendidos animais silvestres.

Capital da Província de Hubei, Wuhan, de 11 milhões de habitantes, tornou-se o epicentro do surto. O governo suspendeu o transporte de moradores de Wuhan e fechou aeroportos, mas, antes de renunciar ao cargo, o prefeito admitiu que 5 milhões deixaram Wuhan antes da imposição da quarentena.

Segundo a cúpula do Partido Comunista, o surto é um teste para a capacidade de governança da China. “Devemos tirar uma lição (da experiência)”, informou relatório da reunião do partido. Xi Jinping destacou a necessidade de “medidas resolutivas” para deter o surto e disse que a estabilidade econômica e social do país está em jogo. Também foram pedidos esforços para fortalecer áreas deficientes da saúde pública. Nesta terça, o governo adotou novas medidas de confinamento, que afetam milhões de pessoas em regiões próximas a Xangai, coração econômico do país.

Porta-voz adjunta do Ministério de Relações Exteriores, Hua Chunying criticou o governo dos Estados Unidos por ter iniciado restrições contra cidadãos chineses por causa do surto, acusando Washington de “criar e espalhar o pânico”. Os EUA “foram os primeiros a retirar funcionários do consulado em Wuhan, a mencionar a retirada parcial de funcionários da embaixada e a impor veto à entrada de visitantes chineses.”

Segundo ela, a China precisa urgentemente de máscaras de proteção, óculos e luvas. França, Reino Unido, Japão e Coreia do Sul já enviaram material médico. A China também tenta comprar esses itens da Europa.

O caso de um jovem com deficiência física que morreu após o pai ir para a quarentena motivou protestos na rede social chinesa Weibo, similar ao Twitter. Com lesão cerebral, Yan Cheng, de 17 anos, não falava, andava ou comia sozinho. Ninguém o alimentou após o pai, com febre, ser isolado no dia 22. O chefe do Partido Comunista de Hong’an, onde Yan vivia, foi demitido. 

Hong Kong tem primeira morte por coronavírus; Bélgica confirma 9º caso na Europa

Hong Kong confirmou a primeira morte causada pelo novo coronavírus nesta terça-feira, 4, a segunda fora da China continental. Ao menos 427 pessoas morreram em decorrência da doença desde o início do surto, cujo epicentro é a cidade de Wuhan.

A morte em Hong Kong ocorreu em meio a uma greve de mais de 2 mil funcionários de hospitais, iniciada há dois dias e cuja reivindicação principal é o fechamento da fronteira com a China continental como forma de conter o surto. 

Também nesta terça, o Ministro da Saúde de Cingapura confirmou os primeiros quatro casos de transmissão local do coronavírus no País. Além disso, a Bélgica confirmou o primeiro caso do País, identificado entre um dos nove cidadãos belgas buscados em Wuhan no domingo, 2. Os demais tiveram resultados negativos nos testes. 

Já a Rússia anunciou que está preparando uma área de quarentena na Sibéria para receber os russos advindos de Wuhan. O período de isolamento deve durar 14 dias. /AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.