Chinatopix via AP
Chinatopix via AP

China envia 600 profissionais a Wuhan para auxiliar no combate ao coronavírus

Parte do grupo tem formação nas forças armadas do país e experiência na luta contra o SARS e o ebola. Número de mortos chegou a 41 e 237 têm estado grave

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2020 | 07h00

PEQUIM - A China enviou cerca de 600 profissionais para ajudar na luta contra o coronavírus na cidade de Wuhan, onde o vírus se espalhou deixando 41 pessoas mortas e 1.287 contagiados. 

Aterrissou nesta sexta-feira, 24, em Wuhan um voo da companhia China Eastern com 136 especialistas sanitários de 30 hospitais de Xangai, de acordo com o divulgado pela imprensa estatal. A agência oficial de notícias Xinhua acrescentou que outros 450 profissionais se juntaram ao grupo, "incluindo alguns com experiência na luta contra o SARS e o ebola". 

Esses 450 vêm de distintas universidades do Exército, da Marinha e das Forças Aéreas das forças armadas chinesas e chegaram em Wuhan na noite desta sexta a bordo de aviões militares. No grupo, segundo a agência, estão especialistas em saúde respiratória, doenças infecciosas, controle de infecções e cuidados intensivos. Eles se dividirão nos hospitais de Wuhan com o maior número de infectados pelo coronavírus. 

A Comissão Nacional de Saúde do país asiático detalhou nesta sexta que, entre os 1.287 infectados, 237 se encontram em estado grave. As autoridades sanitárias acompanham 15,1 mil pessoas que entraram em contato com os infectados, das quais 13,9 mil seguem em observação. Os sintomas do novo vírus são muito parecidos com o de um resfriado, mas podem vir acompanhados de febre e fadiga, além de dificuldade para respirar. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.