Alex Plavevski/EFE/EPA
Alex Plavevski/EFE/EPA

China isola 2ª cidade para conter coronavírus; população em quarentena já soma 20 milhões

Huanggang se localiza na província de Hubei, a mesma de Wuhan; 25 pessoas morreram no país

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 08h56

HUANGGANG - A China isolou mais uma cidade para tentar conter o coronavírus que atinge o país e que já deixou 25 mortos e mais de 600 infectados. Com cerca de 7 milhões de habitantes, Huanggang se localiza na província de Hubei, a cerca de 70 quilômetros da capital Wuhan, centro do surto. Somando a população das duas cidades, já são 20 milhões de pessoas colocadas em quarentena.

As autoridades de saúde de Huanggang e determinaram a suspensão das operações dos ônibus e trens desde o início da madrugada. Também foram fechados estabelecimentos como cafés e cinemas. A recomendação é que a população só deixe a cidade em casos de extrema necessidade.

Em Huanggang, foram notificados 12 casos do coronavírus até segunda-feira, 20. A cidade vizinha de Ezhou, com cerca de 1 milhão de habitantes, informou que também fechou as estações de trem. 

Há uma preocupação crescente de que o vírus se espalhe rapidamente com o feriado do ano-novo lunar, quando milhares de chineses viajam pelo país e para o exterior.

Fora da China, há confirmação de oito casos de coronavírus em cinco países:

  • Tailândia (4)
  • Coreia do Sul (1)
  • Japão (1)
  • Taiwan (1)
  • Estados Unidos (1)

Brasil sem casos suspeitos

Nesta quarta-feira, 22, a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais reportou uma possível infecção, de uma brasileira que viajou à China. Logo após o anúncio, porém, o Ministério da Saúde contestou o informe sob o argumento de que a paciente não se enquadra na definição de casos suspeitos da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O ministério disse não haver casos suspeitos no Brasil e informou monitorar diariamente a situação com a OMS. O governo federal já notificou a área de portos, aeroportos e fronteiras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para as medidas de prevenção à entrada do vírus no País.

As recomendações incluem a revisão dos fluxos de investigação de casos identificados nesses pontos de entrada no Brasil - hospital de referência para encaminhamento e investigação de contatos com outras pessoas, por exemplo. 

Ainda conforme o Ministério da Saúde, medidas de prevenção estão sendo revistas nos principais aeroportos de conexão com a China, como os de São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro, Brasília e Campinas (Viracopos), mas não detalhou as medidas. /COM INFORMAÇÕES DA REUTERS

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.