China lança satélite e dá primeiro passo em seu programa lunar

Módulo Chang'e-I explorará órbita da Lua por um ano, tirando fotografias e fazendo análises

Efe e Reuters,

24 de outubro de 2007 | 08h36

A China lançou nesta quarta-feira, 24, com sucesso o Chang'e-I, primeiro satélite do país asiático que orbitará ao redor da Lua e passo decisivo no programa espacial do país asiático, e espera enviar seus astronautas a este satélite por volta de 2020.   O Chang'e-I, cujo nome é inspirado em uma deusa tradicional chinesa que, segundo a lenda, viajou à Lua e habita nela, foi lançado às 18h05 (8h05 de Brasília) a partir da base espacial de Xichang, na província de Sichuan. O satélite Chang'e-I deve entrar na órbita de transferência entre a Terra e a Lua em 31 de outubro, e em 5 de novembro alcançará a órbita lunar para explorar o astro por um ano, tirando fotografias em três dimensões e fazendo análises da poeira lunar.   "Sua implementação estabelecerá a fundação tecnológica para o desenvolvimento por parte de nosso país de atividades de exploração profunda do espaço", afirmou o porta-voz da Administração Espacial Nacional da China, Li Guoping. Estados Unidos, Japão e Índia também querem marcar seu interesse na Lua com novos esforços de exploração.   Em órbita O lançamento se dá depois de a agência espacial japonesa ter anunciado que sua sonda lunar, Selene, entrou corretamente em órbita da Lua para iniciar um programa de observações de um ano.     A Chang'e-I usará câmeras de estéreo e espectrômetros de raios-X para produzir imagens tridimensionais da superfície lunar e estudar sua composição.     Após o lançamento, a sonda chinesa orbitará a Terra para fazer ajustes técnicos e chegará à Lua em 5 de novembro. As primeiras fotos da Lua deverão chegar na segunda quinzena do mês.   Em 2003, a China tornou-se o terceiro país do mundo - depois dos EUA e da ex-União Soviética - a lançar um homem ao espaço a bordo de seu próprio foguete. E em 2008 o país planeja mandar um astronauta para uma caminhada espacial.   Lançamento   Mais de 2.000 turistas, especialistas de países como Japão, Alemanha e Itália e centenas de jornalistas chineses assistiram ao lançamento, o primeiro que teve espectadores no tradicionalmente secreto programa espacial chinês.   O lançamento foi transmitido pelo canal nacional chinês "CFTV" ao vivo, embora a China, em outras ocasiões, tenha feito esse tipo de transmissão espacial depois do lançamento, para prevenir que seus espectadores assistissem a um eventual fracasso. "Tudo corre bem, tudo correto", diziam os técnicos do painel de controle de Xichang, enquanto indicavam os lugares do planeta pelos quais o satélite sobrevoava. Como medida de prevenção, durante o lançamento foram evacuados milhares de habitantes em 2,5 quilômetros ao redor da base de lançamento, informou hoje a agência Xinhua. O Chang'e-I foi lançado na mesma semana em que o 17º Congresso do Partido Comunista da China (PCCh) apresentava seus líderes para os próximos cinco anos e reelegia Hu Jintao como seu secretário-geral, por isso esta aventura espacial é vista pelos analistas como um ato de propaganda, para fechar a reunião do partido.   Matéria ampliada às 08h58 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
SatéliteChinaLuaEspaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.