Centro de controle de enfermidades/Divulgação
Centro de controle de enfermidades/Divulgação

China relata primeiro caso humano de gripe aviária H3N8; governo vê baixo risco de epidemia

Menino de 4 anos foi diagnosticado com o vírus nesta semana. Muitas variantes da gripe aviária estão presentes na China e algumas chegam a infectar humanos

Ella Cao e Dominique Patton, Reuters

28 de abril de 2022 | 10h09

PEQUIM - A China registrou a primeira infecção humana da variante H3N8 da gripe aviária, anunciou na terça-feira, 26, a autoridade sanitária do país, que acrescentou que o risco de transmissão para outras pessoas é baixo. A infecção foi descoberta em um menino de quatro anos da província central de Henan, que havia desenvolvido febre e outros sintomas no dia 5 de abril.

Nenhum contato próximo foi infectado com o vírus, afirmou a Comissão Nacional de Saúde em nota. A criança havia tido contato com frangos e corvos criados em sua casa, acrescentou a nota. A variante H3N8 foi detectada anteriormente em outros lugares do mundo em cavalos, cachorros, pássaros e focas, mas nenhum caso de H3N8 em humanos havia sido reportado, afirmou a comissão.

A comissão disse que uma avaliação inicial determinou que a variante ainda não tinha a habilidade de infectar efetivamente os seres humanos, e que o risco de uma epidemia em grande escala era baixo. Muitas variantes diferentes de gripe aviária estão presentes na China, e algumas delas, de maneira esporádica, infectam pessoas, normalmente os mais suscetíveis trabalham com aves.

No ano passado, a China reportou o primeiro caso de H10N3 em humanos. A China tem populações imensas de aves selvagens e criadas para consumo, criando um ambiente ideal para que vírus aviários se misturem e sofram mutações. A vigilância maior sobre a influenza aviária em pessoas também significa que mais infecções estão sendo identificadas.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim [China]gripe aviária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.