Greg Baker/AFP
Greg Baker/AFP

China tem novos casos de pneumonia misteriosa

Segundo funcionários da área de saúde chinesa, novo vírus já infectou 45 pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2020 | 02h46

PEQUIM - A misteriosa pneumonia viral que surgiu no centro da China já infectou 45 pessoas, segundo informaram funcionários chineses da área de saúde nesta sexta-feira, 17, após a confirmação do segundo óbito no país. No total, já foram identificados 45 pacientes, com mais quatro casos em relação ao boletim anterior, revelou a Comissão Municipal de higiene e saúde pública.

Segundo os funcionários, 15 pacientes já receberam alta e cinco estão em estado grave. Trata-se de um novo tipo de coronavírus, uma família com um grande número de vírus, incluindo o que provoca a síndrome respiratória aguda grave (SARS, na sigla em inglês). Até o momento, todos os casos na China foram registrados em Wuhan, uma cidade de 11 milhões de habitantes do centro do país.

Outros casos desta misteriosa pneumonia foram detectados no exterior: dois na Tailândia e um no Japão. As autoridades desses dois países alegam que os pacientes foram a Wuhan antes de sua hospitalização. A investigação das autoridades constatou que vários pacientes trabalhavam em um mercado da cidade especializado no atacado de frutos do mar e peixes. O município tomou várias medidas, ordenando, em particular, o fechamento do mercado em questão, onde foram realizadas operações de desinfecção e análises.

O segundo óbito - um homem de 69 anos - ocorreu na quarta-feira, 15, segundo a Comissão Municipal de Higiene e Saúde. Um chinês de 61 anos já havia morrido na semana passada. A maioria dos pacientes é do sexo masculino e com idade mais avançada.

As autoridades de saúde locais tentam tranquilizar a opinião pública garantindo que "o risco de transmissão entre humanos, se não foi excluído, é considerado baixo", mas a epidemia alimenta o medo do ressurgimento do vírus altamente contagioso SARS, que matou cerca de 650 pessoas na China continental e em Hong Kong em 2002-2003.

A China não anunciou restrições de viagem no país. Já as autoridades de Hong Kong (sul) reforçaram suas medidas de detecção nas fronteiras do território autônomo, em particular com detectores de temperatura corporal. A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na quinta-feira que "ainda há muito a descobrir sobre o novo coronavírus". "Não sabemos o suficiente para tirar conclusões definitivas sobre seu modo de transmissão", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.