REUTERS/Kai Pfaffenbach
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Cidade alemã cria 'drive-through' para testar coronavírus

Objetivo do sistema na pequena cidade  de Groß-Gerau é minimizar o contato entre casos suspeitos com profissionais de saúde e outros pacientes. País tem 1,1 mil casos confirmados

Redação, AFP

10 de março de 2020 | 21h40

Na pequena cidade alemã de Groß-Gerau não é necessário sair do carro para detectar o coronavírus já que o hospital atende os pacientes de risco no estacionamento. O objetivo é realizar os testes necessários em meio à epidemia do novo coronavírus, que avança tanto na Alemanha como na Europa, ao mesmo tempo em que se reduz os riscos de contaminação dos profissionais e de outros pacientes.

"Circunstâncias extraordinárias requerem soluções extraordinárias", comentou Roxana Sauer, médica-chefe da clínica à agência AFP. Desde o fim da semana passada, pacientes com suspeita de infecção - após uma consulta telefônica e encaminhamento de autoridades sanitárias regionais - obtêm a liberação para uma consulta para realizar o teste.

Uma vez estacionado em um local específico, a pouco metros do edifício, o médico com um traje de proteção se aproxima. As amostras da boca ou do nariz são tomadas a partir da janela e logo o paciente pode voltar para casa, explicou Erika Raab, diretora do hospital. 

O laboratório comunica os resultados em 24 horas e o paciente pode ser informado por telefone. "É ótimo que seja tão fácil e rápido", disse Sauer. "Para os alemães, o carro é o lugar mais seguro", comenta Raab. 

Outros hospitais alemães também estão desenvolvendo o mesmo sistema, como já ocorre na Coreia do Sul, Estados Unidos e Reino Unido

Dos 32 primeiros testes realizados no estacionamento nos primeiros dias, nenhuma pessoa deu positivo. Apesar disso, a assistência telefônica funciona continuamente atendendo centenas de chamadas em poucos dias. 

O novo coronavírus, que apareceu pela primeira vez na China no final de 2019, também preocupa os habitantes desta zona rural a sudoeste de Frankfurt, ainda que as infecções continuem escassas na região. 

Escolas foram fechadas e grandes eventos foram cancelados no país, que agora conta mais de 1,1 mil casos confirmados e duas mortes relacionadas à epidemia. Esta semana, uma nova ferramente permitirá consulta por videoconferência, principalmente para pacientes em quarentena em suas casas, explica Raab. 

Além de um local para colher amostras, o estacionamento se transformará também em uma sala de espera onde se medirá a temperatura. Esse sistema ajudará a evitar contato entre os pacientes. No carro, é informado o horário de consulta por meio de um sistema sem fio. Raad quer mostrar às pessoas que "levamos a sério suas preocupações". 

Raad está convencida que o sistema de saúde alemão pode fazer frente ao coronavírus. Disciplina e solidariedade são essenciais para alegrar um dia estressante, acrescenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.