FREDERIC J. BROWN/AFP - 05/11/21
FREDERIC J. BROWN/AFP - 05/11/21

Cidade de SP faz busca ativa em escolas e casas para vacinar crianças de 5 a 11 anos contra a covid

Objetivo é intensificar a imunização do público infantil da capital paulista, que estava em 72,1% na noite desta quarta-feira, 16. Vacinação infantil precisa de termo de autorização dos pais ou responsáveis

Luiz Henrique Gomes, especial para o Estadão

17 de fevereiro de 2022 | 17h46

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo realiza uma busca ativa pelas crianças que ainda não se vacinaram contra a covid-19. Segundo a pasta, a busca é feita por meio de um mapeamento e contato com as famílias e, a partir da próxima segunda-feira, 21, também vai acontecer nas escolas municipais. Cerca de 302 mil crianças entre 5 e 11 anos ainda não se vacinaram na capital paulista.

Segundo a prefeitura, a busca ativa nas escolas vai acontecer com equipes de saúde das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) - que permanecem com o atendimento na própria unidade. As UBSs realizarão agendamento das ações de vacinação em conjunto com as escolas. As instituições de ensino fornecerão o termo de autorização para que os pais ou responsáveis encaminhem as crianças com o documento preenchido e o cartão de vacinação na data programada para a aplicação. Os pais interessados poderão acompanhar a vacinação.

O objetivo da prefeitura é intensificar a imunização do público infantil com a aplicação da primeira dose ou da segunda dose da vacina, no caso daqueles que já foram vacinados e não retornaram no prazo entre as doses. Até a noite desta quarta-feira, 16, 72,1% do público infantil de 5 a 11 anos da cidade de São Paulo já recebeu a primeira dose da vacina, segundo a prefeitura. Isso corresponde a 780.859 crianças.

De acordo com a SMS, a maioria das crianças entre 5 e 6 anos estão nas escolas municipais. Com exceção das crianças de 5 anos, que são vacinadas exclusivamente com doses da Pfizer pediátrica, o restante (6 a 11 anos) pode tomar uma dose da Pfizer ou da Coronavac. O intervalo entre as duas doses é específico de cada imunizante: 56 dias, ou oito semanas, para quem tomou Pfizer; e 28 dias para quem tomou Coronavac. 

Além disso, a secretaria afirmou que também está entregando aos pais e responsáveis pelos alunos da rede municipal de ensino uma cartilha que visa reforçar a importância da imunização infantil e os cuidados necessários para que as aulas presenciais ocorram de maneira segura. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.