EFE
EFE

Cidade do México decreta fim do alerta sanitário pela gripe

A Cidade do México foi a mais afetada pela epidemia de gripe suína e concentrou o maior número de mortes

EFE,

21 Maio 2009 | 14h22

As autoridades da Cidade do México decretaram nesta quinta-feira, 21, o fim do alerta sanitário por causa da gripe suína, estabelecido em 23 de abril, por causa da constante diminuição nas mortes e nos casos de contágio causados pelo vírus A (H1N1).

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde   

 

O comitê científico de vigilância epidemiológica e sanitária da capital mexicana decidiu passar do alerta amarelo para o verde, o que significa que a cidade está em "total normalidade, sem nenhuma restrição de atividades, e todos os serviços públicos e a infraestrutura urbana funcionam plenamente".

 

Em comunicado, o comitê indicou que "os casos de contágio informados e confirmados pelo laboratório mostraram uma marcada tendência de baixa nos últimos dias". Além disso, as autoridades afirmaram que o último caso confirmado de contágio pelo vírus A (H1N1) na cidade aconteceu há sete dias.

 

Adicionalmente, após a volta às aulas na cidade de mais de 2 milhões de estudantes, primeiro às preparatórias e universidades, e depois em pré-escolas, ensino fundamental e médio, "não se apresentou nenhum caso de contágio", destaca a nota.

A Cidade do México foi a mais afetada pela epidemia de gripe suína e concentrou o maior número de mortes.

 

No entanto, o comitê enfatizou a importância de manter as ações de prevenção e "o comportamento social adequado" durante os próximos dias, para "manter as conquistas obtidas e evitar qualquer recaída".

 

Entre as medidas de prevenção, estão algumas de higiene pessoal, como lavar as mãos com água e sabão, usar lenços descartáveis ao espirrar ou cobrir a boca, e jogar os lenços no lixo. Os especialistas também recomendam comer frutas e verduras, tomar  muita água e fazer exercícios.

 

Além disso, consideram importante que as casas e os locais de trabalho sejam man tidos "limpos, ventilados e se permita a entrada de sol".

 

Os especialistas que integram esse comitê de vigilância pediram que a prefeitura mantenha as campanhas "de divulgação e informação de medidas preventivas, e de segurança e higiene".

 

O órgão sanitário da capital, que tem mais de 18 milhões de habitantes, pediu finalmente à população que vá "imediatamente" ao centro de saúde ou ao hospital mais próximo caso apresente sintomas da doença.

 

Segundo os últimos dados do Governo federal, o número de mortes confirmadas no México pela epidemia de gripe é de 75, e os infectados são 3.817.

 

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.