GERMANO RORATO / ESTADAO
GERMANO RORATO / ESTADAO

Cidade gaúcha vive o maior dos surtos de toxoplasmose

Há 510 registros confirmados; rotina de alimentação muda e casais são aconselhados a evitar gravidez

Lígia Formenti, Enviada especial

11 Junho 2018 | 03h00

SANTA MARIA (RS) - Um surto de toxoplasmose de grandes proporções atinge a cidade gaúcha de Santa Maria. A cidade já havia virado notícia no País há cinco anos, quando o incêndio na Boate Kiss, em 27 de janeiro, deixou 242 mortos e 680 feridos. Causada por um protozoário, a doença traz mais riscos de complicações para pessoas que estão debilitadas (transplantados, pacientes que tomam quimioterápicos e remédios para algumas doenças autoimunes, como artrite reumatoide), gestantes e pessoas que apresentam problemas oculares.

São pelo menos 510 casos confirmados da doença pelas secretarias municipal e estadual, incluindo 2 abortos, 2 óbitos fetais e 2 casos congênitos, quando a doença é adquirida durante a gestação. Há ainda 212 casos em investigação, dos quais 133 em gestantes, 1 aborto e 17 bebês. O quadro, que configura o maior surto da doença no País, começou a ser identificado em abril e levou médicos e autoridades sanitárias a mudarem a política de atendimento e até mesmo a aconselhar casais a adiarem os planos de gravidez.

Em meio ao drama vivido pelos pacientes, uma caçada em busca da origem do surto teve início. Entre as principais suspeitas está a contaminação da água. Há confirmação da infecção em vários bairros da cidade, a 292 km de Porto Alegre. Mas outros fatores estão em análise, como a contaminação de frutas, verduras e carnes. “Nenhuma hipótese está descartada. Temos muitas dúvidas e nenhuma resposta”, admite a secretária municipal de Saúde de Santa Maria, Liliane Mello Duarte. Na sexta-feira, uma equipe do Ministério da Saúde destacada para investigar as causas do surto retornou a Brasília, levando na bagagem questionários feitos com pacientes.

Foram quase dois meses de trabalho. Com a lista de mais de 50 perguntas, equipes procuram identificar comportamentos em comum para chegar à fonte. “Ali estão contidas questões como os locais onde alimentos são adquiridos, as refeições que a pessoa faz fora de casa, os locais que frequenta e consome água, além da residência”, afirma Alexandre Streb, superintendente de Vigilância em Saúde de Santa Maria, que coordena as investigações.

Enquanto as respostas não chegam, famílias são aconselhadas a tomar uma série de medidas de prevenção. Consumir apenas água fervida, lavar também com água filtrada os alimentos, evitar ingerir verduras cruas e carnes de procedência duvidosa ou pouco cozidas. “Mas até quando as pessoas vão evitar esses alimentos?”, indaga a educadora física Andressa Messias.

Por ser uma doença negligenciada e pouco notificada, as estatísticas oficiais sobre toxoplasmose são pouco confiáveis. “Mas os números eram significativamente menores, 15, 20 casos por ano. Não se ouvia falar com preocupação da doença por aqui”, afirma Streb. A médica Paula Flores Martinez acredita que o aumento de casos de forma tão rápida esteja associado ao agente da doença. “Existem três genótipos de toxoplasmose. Mas há possibilidade de haver genótipos mistos. Avalio que isso pode estar acontecendo.” Amostras de material genético foram retiradas de fetos e enviadas para a análise. “Somente então poderemos saber um pouco mais do que está ocorrendo”, afirma a infectologista. Não há, porém, risco de casos se espalharem por outras cidades. “Exceto na gestação, não há transmissão de uma pessoa para outra.”

Protocolo

Diante do aumento expressivo do número de casos, o protocolo de atendimento para pacientes foi alterado. Exames nas gestantes, antes feitos no primeiro e no último trimestre de gestação, agora são mensais. Em bairros que concentram maior número de casos suspeitos, postos de saúde realizam mutirões para o atendimento de pacientes. 

Moradora do bairro Tancredo Neves, um dos pontos com maior número de casos em Santa Maria, Andressa Messias sabe pela própria experiência a dimensão dos danos da toxoplasmose. Grávida de dois meses, no início de março ela começou a sentir fortes dores de cabeça e enjoos. Foi a três médicos e o diagnóstico era sempre o mesmo: reflexos da gravidez. “Mas sabia que algo estava errado.”

Como outras gestantes, Andressa foi recrutada para fazer o teste de toxoplasmose. O resultado, positivo, saiu em 17 de abril. “Entrei em pânico. Havia ficado dois meses sem nenhum tratamento, sabia das consequências para o bebê.” Menos de uma semana depois, desconfiada, ela resolveu fazer um ultrassom. O bebê já havia morrido. Com mais de quatro meses de gestação, ela precisou fazer o parto induzido. “Tive todas as dores, as contrações. Mas saí de lá sem um bebê. Apenas com um vazio enorme que não sei quando será curado.”

Ministério considera menos de 1/5 dos casos

O surto tem dimensões distintas para as autoridades. O Ministério da Saúde trabalha com menos de um quinto dos 510 casos relatados pelos gaúchos. Nas estatísticas da pasta, Santa Maria relatou 88 casos recentes da doença. O coordenador de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Renato Alves, observa que para o governo federal só podem ser levados em consideração casos que tenham sido confirmados por um teste específico, batizado de avidez, que capta a forma aguda da doença. 

Para as secretarias, as avaliações são feitas com dois testes de praxe, associados aos sintomas e ao fato de que já há um aumento expressivo da doença na cidade. “Eles exigem que trabalhemos com um padrão ouro, que andemos com uma Ferrari, mas nos dão um Fusca. É o que temos”, diz a coordenadora de epidemiologia da 4.ª Regional de Saúde do Rio Grande do Sul, Lourdes Farinha. 

Principais cuidados

- Os sintomas da doença

Na fase aguda, pode provocar febre, dores de cabeça, dores musculares , ínguas no pescoço, sudorese.

- Doença congênita

O bebê pode apresentar hidrocefalia, convulsões, atrofia cerebral, anemia, problemas no fígado e alterações oculares. A infecção no estágio inicial da gestação traz maior risco ao bebê. 

- Tratamento

Gestantes devem fazer exames no 1º e 3º trimestre. Quando diagnosticada a presença do protozoário, devem fazer uso de uma medicação. Os remédios também são indicados no caso de pessoas com baixa imunidade e para bebês e crianças de até 2 anos e pessoas com problemas oculares.

Temos muitas pistas, mas nenhuma certeza

A cidade de mais de 278 mil habitantes vive na busca por respostas. “Temos muitas pistas, mas nenhuma certeza”, admite Alexandre Streb, superintendente de Vigilância em Saúde de Santa Maria. Testes realizados na água que abastece a cidade até agora deram negativo para toxoplasmose. 

Jéssica dos Santos, engenheira química da 4.ª Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul, afirma no entanto que o resultado negativo está longe de descartar o risco de água – nem a ideia de coletar o lodo existente nas caixas d'água de residências de pessoas que tiveram a infecção confirmada pode ser suficiente. “A estimativa é de que 60% dos testes feitos para detecção de protozoários em água sejam falso negativo. O exame é pouco preciso”, afirma Jéssica.

Streb conta ainda que um trabalho de georreferenciamento está em curso para identificar casa a casa os pacientes com a doença e encontrar pontos em comum. Além disso, a pesquisa levará em consideração as obras viárias que estão em curso na região. “O objetivo é ver se, em algum ponto, estruturas possam ter sido danificadas.”

Coletas também foram feitas em amostras de frutas e verduras comercializadas na cidade. Cultivos hidropônicos foram analisados. E estudos laboratoriais começam a ser delineados. Uma das propostas é fazer experimentos com porcos e galinhas. Eles receberiam amostras de água para verificar se também são infectados pelo protozoário. A estratégia foi adotada em Santa Isabel do Ivaí (PR), que na década passada enfrentou um dos maiores surtos de toxoplasmose da história mundial, com 484 casos confirmados.

O delegado da 4.ª Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul, Roberto Shorn, diz que a companhia de abastecimento se comprometeu a realizar uma limpeza em seus reservatórios centrais. Mas Jéssica alerta que o sistema doméstico de filtragem não é suficiente para barrar a passagem do protozoário. “As partículas são pequena”, conta. Daí a necessidade de se ferver a água. 

Para a médica infectologista da Secretaria de Saúde de Santa Maria, Paula Flores Martinez, seria preciso também se analisar o sistema de distribuição. “É como o corpo humano: o problema pode não estar no coração, mas nas veias.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.