PMSJC/Divulgação
PMSJC/Divulgação

Cidades do interior de SP voltam a fechar praças e proibir consumo público de bebidas

Em Presidente Prudente, descumprimentos podem resultar em responsabilização criminal. Governo do Estado prevê iniciar vacinação contra o novo coronavírus no dia 25 de janeiro

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2020 | 09h00

SOROCABA – Prefeituras do interior de São Paulo correm contra o tempo para conter o novo coronavírus, enquanto esperam a chegada da vacina. Quando parecia que o vírus estava indo embora, houve um aumento no número de casos nas últimas semanas, levando municípios a reeditar medidas fortes tomadas no auge da pandemia para combater o avanço da doença. 

Nesta segunda-feira, 7, o governador João Doria anunciou que a vacinação terá início em 25 de janeiro de 2021 no Estado, com a imunização de idosos, profissionais de saúde, indígenas e quilombolas. Será utilizada a vacina Coronavac, desenvolvida pela chinesa Sinovac e produzida pelo Instituto Butantã, mas que ainda depende de aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em Presidente Prudente, a prefeitura baixou decreto proibindo o consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos, incluindo ruas, praças e parques. O uso de narguilé, espécie de cachimbo com aromas, também foi proibido em locais públicos. Os infratores podem ser enquadrados criminalmente por colocar em risco a saúde pública. 

Para garantir o respeito à nova norma, a prefeitura vetou o estacionamento de veículos em locais sujeitos a aglomeração, como praças, parques e pontos de baladas. Também foi proibido o aluguel de chácaras para eventos e shows.

O município autorizou a Secretaria Municipal de Saúde a contratar leitos clínicos para atender pacientes da cidade em hospitais da região.

De sexta-feira à manhã desta segunda, a cidade registrou quatro mortes, totalizando 171 óbitos, e o número de casos subiu para 7.966, havendo 65 pacientes internados com a doença.

Conforme o prefeito Nelson Bugalho (PSDB), até que a vacina se torne realidade, é preciso controlar a doença. “Estamos confiantes na chegada da vacina e toda a estrutura da saúde será voltada para a imunização. Até lá, é preciso evitar que os casos continuem aumentando.”

Em Campinas, o aumento no número de casos entre jovens levou o secretário da Saúde, Carmino de Souza, a fazer um apelo a esse público para que se cuide até a chegada da vacina. “Não leve o vírus para casa. A transmissão domiciliar passou a ser a preferencial. Entendemos o cansaço das pessoas, mas estamos tão perto da vacina, vamos aguentar um pouco mais”, disse. 

Segundo ele, a cidade está preparada para vacinar quando o imunizante estiver disponível. “Campinas está pronta. Chegou a vacina, a gente já pode começar a vacinar a população, observando as regras de imunizar primeiro os grupos prioritários.”

Conforme o secretário, a cidade já tem seringas e agulhas para aplicar a vacina em todos os seus 1,2 milhão de habitantes. “Também trocamos toda nossa rede de refrigeração e não haverá problema de conservação da vacina”, disse. Campinas já perdeu 1.390 moradores para o vírus de um total de quase 45 mil infectados.  

A prefeitura de Santa Cruz do Rio Pardo fechou a Praça São Sebastião, uma das principais da cidade, devido ao aumento de infecção pela covid-19. A Santa Casa, principal hospital, chegou a 100% de leitos ocupados neste fim de semana.

A partir das 20 horas até as 2 da manhã, a praça permanece interditada com faixas zebradas. As ruas do entorno ficam fechadas ao trânsito para evitar aglomerações de jovens. 

A prefeitura proibiu festas em casas, chácaras e sítios com mais de 12 pessoas, inclusive os familiares. A multa varia de R$ 1,6 mil a R$ 5,4 mil. “Enquanto a vacina não vem, vamos fazer nossa parte e manter o isolamento social”, pediu a Secretaria da Saúde em rede social.

Em Sorocaba, a Câmara de Vereadores restringiu o atendimento ao público depois de registrar um novo surto da doença. As sessões voltaram a ser transmitidas pela TV Câmara e redes sociais. Três casos foram confirmados, entre eles o do vereador Hudson Pessini (MDB), que está internado em hospital – e quatro casos suspeitos aguardam os exames.

Outros três vereadores já haviam sido infectados em surtos anteriores. A cidade registrou cinco novas mortes pela covid-19 nesta segunda-feira, 7.  A Secretaria de Saúde do município designou uma equipe para planejar o esquema de vacinação contra a covid-19 na rede municipal de saúde.

Em São José dos Campos, a prefeitura prevê a utilização da estrutura já montada para a imunização contra a gripe na futura vacinação contra a doença. O município apertou o cerco contra as aglomerações na tentativa de conter o contágio que aumenta desde o início de dezembro.

Neste fim de semana, a fiscalização apoiada pela Guarda Civil Municipal aplicou 23 multas no valor de R$ 5 mil cada em bares e estabelecimentos comerciais que permaneceram abertos após as 22 horas. Foram realizadas blitze para evitar os ‘fluxos’ (encontros) de jovens em locais públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.