Sebastien Bozon/AFP
Sebastien Bozon/AFP

Cientista de 104 anos se prepara para suicídio assistido na Suíça

Ativista do direito de os idosos decidir sobre a própria morte, o australiano David Goodall vai pôr fim a sua vida nesta quinta

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 17h36

GENEBRA - O cientista australiano David Goodall, que chegou à Suíça para receber nesta quinta-feira, 10, assistência para seu suicídio, disse nesta quarta-feira, 9, que espera que sua "partida" faça com que as coisas mudem no seu país e se permita que idosos possam decidir quando e onde desejam morrer.

+++ Suicídio de estudantes causa comoção nas redes sociais e reflexões em escolas

"Os idosos deveriam ter o direito de decidir isto por si mesmos", declarou Goodall em entrevista coletiva na véspera do seu planejado suicídio, para o qual contará com a assistência da organização Exit.

+++ Pesquisa aponta que '13 Reasons Why' ajudou nas conversas de assuntos delicados entre pais e filhos

Goodall, um reconhecido botânico de 104 anos que publicou extensamente em revistas científicas, transformou-se em um ativista do suicídio assistido, um ato que está proibido no seu país, com exceção de um Estado, que o legalizou recentemente, mas de forma muito restrita e só a partir do próximo ano.

+++ Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema

No seu encontro com os jornalistas, o cientista se mostrou surpreso pela cobertura midiática que seu caso recebeu, segundo relatou a agência de notícias suíças ATS.

Goodall, que não sofre de nenhuma doença, disse que teria preferido morrer na Austrália, onde tentou um suicídio fracassado e posteriormente sofreu uma queda que provocou uma piora do seu estado físico.

Depois desses episódios, decidiu recorrer à organização Exit e viajar à Suíça para realizar seu desejo.

O cientista comentou que estava muito satisfeito com a hospitalidade que recebeu no  país europeu, onde chegou com alguns familiares que o acompanharão no momento final da sua vida, quando - segundo contou - gostaria de escutar a Nona Sinfonia de Beethoven.

"É a minha própria decisão. Quero pôr fim à minha vida e estou agradecido que isto seja possível na Suíça", declarou perante dezenas de jornalistas.

O botânico afirmou também que estava perdendo a visão e a audição e que se alegrava de poder ver-se "aliviado" de tudo isso.

Segundo a organização Exit, o cientista não é o primeiro australiano que pede auxílio para o suicídio na Suíça desde que o serviço existe, mas os casos não são frequentes por causa da duração e do custo da viagem.

Ao chegar à Suíça nesta segunda-feira, 7, Goodall foi avaliado por dois médicos - um deles psiquiatra -, que aprovaram o ato de suicídio assistido.

O último gesto do cientista será o de tomar um remédio mortal, segundo explicou.

Em 2016, Goodall chamou atenção dos meios de comunicação australianos quando a universidade na qual trabalhou como pesquisador associado honorário lhe ordenou que deixasse seu escritório por considerá-lo um risco para sua própria segurança.

Após o recurso de Goodall, que contou com grande apoio da opinião pública, a decisão foi revertida. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.