Monalisa Lins/AE
Monalisa Lins/AE

Cientista peruano cria prótese óssea com casca de coco

Protótipo ainda será testado em humanos; segundo cientista, material não é rejeitado pelo organismo

Efe,

05 de janeiro de 2012 | 08h11

 Uma prótese óssea feita com casca de coco pulverizada foi apresentada nesta quarta-feira, 4, no 19º Encontro Científico Internacional de Lima pelo engenheiro peruano Walter Pardavé, que destacou que em breve a novidade será testada em humanos.

"O casca de coco é muito resistente e é utilizada atualmente na indústria automotiva e de construção em alguns países desenvolvidos. Além disso, tem uma porosidade similar à dos ossos, permite a lubrificação quando se articula com um osso real e não é rejeitada pelo organismo", explicou Pardavé à agência estatal "Andina".

O protótipo, uma réplica do osso úmero, foi feito em sua totalidade desse material vegetal custa um décimo do valor de uma prótese de titânio ou de liga de metais, acrescentou o cientista.

Pardavé, docente e pesquisador da Universidade Manuela Beltrán, de Bucaramanga, na Colômbia, submeteu a testes médicos o "osso" feito de coco e inclusive o testou em coelhos.

"Obtivemos resultados satisfatórios que esperamos corroborar em testes com seres humanos para que o protótipo seja validado como uma prótese alternativa pela comunidade médica internacional", comentou.

Segundo Pardavé, a casca de coco é uma matéria-prima abundante no planeta, com a qual se pode replicar qualquer tipo de osso móvel, como o fêmur, o cúbito, o rádio ou o perônio e, por isso, poderá ser utilizado em casos de fraturas severas ou osteoporose, entre outros.

Em 2012 o cientista espera realizar testes com humanos, com o apoio de uma universidade espanhola.

"Esperamos que no início de 2013 tenhamos resultados destes testes em seres humanos vivos para estarmos em condições de patentear o produto e posteriormente oferecê-lo ao mercado como próteses de baixo custo, que beneficiem principalmente os mais pobres", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
cocoprótesePeruosso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.