Cientistas alemães encontram explicação para gravidade da 'E.coli'

Testes indicaram que a formação de autoanticorpos provoca aumento de um fator de coagulação que limita a provisão sanguínea no cérebro e nos rins

Efe

08 Junho 2011 | 16h19

Berlim - Cientistas das universidades de Greifswald e Bonn encontraram indícios que explicam a gravidade da nova cepa da bactéria "E. coli" e que provoca aparentemente a formação de autoanticorpos, causadores dos graves danos internos aos pacientes.

Veja também:

som UE reconhece que sistema de alerta para alimentos perigosos não funciona

forum Especialista: 'Ainda não se sabe por que essa cepa prefere adultos jovens'

videoSaiba como se prevenir contra a bactéria E. coli

especialSaiba mais sobre causas e prevenção da infecção intestinal na Alemanha

Andreas Greinacher, especialista em transfusões da universidade de Greifswald, informou nesta quarta-feira que tudo parece indicar que os pacientes afetados pela Síndrome Hemolítica-Urêmica (SHU), além de segregar shiga-toxina, formam autoanticorpos, que atuam destrutivamente contra seu próprio organismo.

Análises provisórias indicam que esses anticorpos provocam um aumento de um fator de coagulação que limita a provisão sanguínea a importantes regiões cerebrais e renais.

Os autoanticorpos são gerados apenas por alguns pacientes afetados pela infecção de "E.coli" - nos casos de maior gravidade, com alterações de consciência e epilepsias.

Greinacher afirmou que quatro pacientes com quadro clínico grave foram tratados na clínica universitária de Greifswald com uma diálise que filtra esses anticorpos, e que os primeiros exames sanguíneos foram "otimistas".

O especialista, que realizou os exames com Bernd Pötzsch, da Universidade de Bonn, disse que ainda não foram determinadas as causas que levaram os pacientes a serem afetados de tal maneira, e explicou que foi comprovada uma alteração no funcionamento de uma proteína - o chamado "Fator de von Willebrand" - nos vasos sanguíneos cerebrais e renais.

Em vez de se decompor em pequenos fragmentos, essa proteína acaba se acumulando e bloqueando os capilares, o que leva a quadros clínicos de maior gravidade.

Greinacher e Pötzsch afirmaram também que o autoanticorpo é desenvolvido cerca de cinco dias após a doença ser contraída.

"Isso explica porque muitos pacientes que já superaram a fase diarreica apresentam depois graves sintomas neurológicos", disse Greinacher.

Mais conteúdo sobre:
bactériainfecçãoE. coli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.