Cientistas alertam para risco de ondas de gripe após o hajj

Cerca de 3 milhões de peregrinos de mais de 160 países normalmente tomam parte na peregrinação a Meca

Reuters,

29 de outubro de 2009 | 17h27

Ondas de contaminação pelo vírus H1N1 da gripe suína, disseminadas pelos cerca de 3 milhões de peregrinos que viajarão de e para Meca no mês que vem para a peregrinação do hajj ameaçam aumentar a pressão sobre os sistemas de saúde pública de todo o mundo,  afirmam especialistas.

 

Especialistas em vacina preparam diretrizes para gripe H1N1

Governo da Tunísia suspende peregrinação a Meca por gripe

H1N1 leva sauditas a sugerir adiamento de peregrinação a Meca

 

"Nenhuma região pode ser considerada fora de perigo", dizem especialistas dos Estados Unidos e árabes, incluindo o vice-ministro de saúde preventiva da Arábia Saudita, em artigo publicado na revista Science.

A peregrinação em si, na última semana de novembro, fornece condições ideais para a disseminação da gripe, que é transmitida em gotículas de saliva e pelo contato físico.

 

"A densidade dos peregrinos, a natureza dos rituais e o contato próximo recomendado durante as orações oferecem uma atmosfera perfeita para a transmissão", escrevem Shahul Ebrahim, dos Centros para Prevenção e Controle de Doenças (CDC) do governo dos Estados Unidos, e  Ziad Memish, do governo saudita.

 

Cerca de 3 milhões de peregrinos de mais de 160 países normalmente tomam parte no hajj, na cidade sagrada de Meca, incluindo 2 milhões vindos do exterior.

 

 Memish e Ebrahim também dizem que após a peregrinação cerca de 45 mil peregrinos europeus e mais de 15 mil da América do Norte passarão por importantes aeroportos internacionais a caminho de casa, aumentando o risco de disseminação do vírus para o restante do mundo.

 

"A exportação do vírus H1N1 relacionada ao hajj, por meio de peregrinos em retorno, pode, potencialmente, iniciar ondas de epidemias por todo o mundo e exigir mais dos sistemas de saúde", escreveram.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.