Cientistas americanos criam rato imune ao câncer

Pesquisa pode ser usada para criar tratamento sem efeitos colaterais para humanos.

BBC Brasil, BBC

28 de novembro de 2007 | 09h25

Pesquisadores americanos da Universidade de Kentucky conseguiram criar em laboratório um rato que é imune a diversos tipos de câncer.O animal, geneticamente modificado, produz uma proteína que ataca as células cancerosas, mas não afeta os tecidos saudáveis. O princípio poderia ser usado para criar tratamentos que poupem pessoas com câncer dos efeitos colaterais geralmente associados à quimioterapia e à radioterapia, como dores, enjôos e perda de cabelo."Estávamos interessados em procurar uma molécula que matasse as células de câncer e não as células normais, mas que também não fosse tóxica no sentido de causar efeitos colaterais em todo o organismo", disse o pesquisador Vivek Rangnekar."Estamos pensando nisso como uma solução holística que não só acabaria com o tumor, mas não prejudicaria o corpo como um todo. Antes deste estudo, publicamos vários trabalhos indicando que na cultura de células não havia a destruição de células normais. Essa é a prova de que (o gene) não mata células normais, já que o rato está vivo e saudável."Os autores do estudo, que foi publicado na revista científica Cancer Research, acreditam que pode ser possível adaptar o método para humanos introduzindo o gene que produz a proteína no corpo através de um transplante de medula. "Se você olhar a dor que os pacientes de câncer têm de enfrentar, não apenas por causa da doença, mas por causa do tratamento - é uma tortura. Se você puder tratar o câncer e não prejudicar o paciente, é um enorme avanço. Isso é o que está acontecendo com esses animais e eu acho isso maravilhoso", afirmou o professor Rangnekar.Os pesquisadores admitem, no entanto, que ainda há muito trabalho pela frente e que o desenvolvimento do novo tratamento ainda pode levar dez anos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.