Cientistas americanos ganham Nobel de Química

Agraciados, Robert J. Lefkowitz e Brian K. Kobilka são autores de trabalho que levará a 'grandes avanços' na produção de medicamentos, segundo Real Academia de Ciências da Suécia

Efe,

10 Outubro 2012 | 08h50

Os cientistas americanos Robert J. Lefkowitz e Brian K. Kobilka foram anunciados nesta quarta-feira pela Real Academia de Ciências da Suécia como vencedores do Prêmio Nobel de Química.

Os dois receberão o prêmio por seus "estudos sobre os receptores acoplados a proteínas G", que permitirão a produção de novos medicamentos.

A Academia argumentou que Lefkowitz e Kobilka fizeram "descobertas revolucionárias que revelam o funcionamento interno de uma grande família de receptores: os acoplados a proteínas G".

"Esses pequenos receptores permitem" a cada célula "sentir seu ambiente", o que lhes facilita "a adaptação a novas situações".

Em nota, a entidade que concede a premiação disse que "cerca da metade de todos os remédios fazem efeito através dos receptores acoplados a proteínas G", por isso a descrição de seu "funcionamento interno" levará a grandes avanços neste âmbito.

Lefkowitz trabalha no Instituto Médico Howard Hughes e no Centro Médico Universitário Duke, de Durham (EUA), e Kobilka é pesquisador da Escola Universitária de Medicina de Stanford (EUA).

Os ganhadores deste prêmio, dotado de oito milhões de coroas suecas (R$ 2,4 milhões), 20% a menos que no ano passado, sucedem na lista do Nobel de Química o cientista israelense Daniel Shechtman, que recebeu a honraria no ano passado.

Amanhã está previsto o anúncio do nome do ganhador do Nobel de Literatura, na sexta-feira será anunciado o da Paz e, na segunda-feira, a lista de ganhadores da edição 2012 será finalizada com a concessão do prêmio de Economia.

A entrega do Nobel será realizada, de acordo com a tradição, em duas cerimônias paralelas: em Oslo para o da Paz, e em Estocolmo para os demais, no dia 10 de dezembro, coincidindo com o aniversário da morte de Alfred Nobel.

Mais conteúdo sobre:
nobel nobel de química

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.