Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Cientistas apresentam o maior fóssil de pterossauro do Hemisfério Sul

É o terceiro maior do mundo, com 8,5 metros de uma ponta da asa à ponta da outra

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

20 de março de 2013 | 13h01

Pesquisadores apresentaram na manhã desta quarta-feira, 20, no Museu Nacional/URFJ, partes do maior fóssil de pterossauro (réptil voador contemporâneo dos dinossauros, da era mesozóica) descoberto no Hemisfério Sul e terceiro maior do mundo, com 8,5 metros de uma ponta da asa à ponta da outra.

Partes da cabeça, das asas, da coluna vertebral e outros ossos foram encontrados na Chapada do Araripe, entre os Estados de Ceará, Pernambuco e Piauí, no depósito de fósseis conhecido como Formação Romualdo. Uma réplica em tamanho natural do voador gigante fará parte da exposição permanente sobre pterossauros que será aberta ao público a partir de sexta-feira, 22, no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista (zona norte).

Parte da espécie Tropeognathus mesembrinus, da família Anhangueridae, já conhecida por animais menores, o pterossauro encontrado no Nordeste brasileiro viveu há 110 milhões de anos, o que revela uma novidade no estudo dos pterossauros gigantes.

Até agora só se conheciam fósseis de animais que viveram em período entre 72 e 65 milhões de anos. “O gigantismo de pterossauros é bem anterior ao que se supunha”, disse o pesquisador Alex Kellner, integrante da equipe de paleontólogos que pesquisou os fragmentos originais e reconstituiu o pterossauro.

Segundo Kellner, os dois pterossauros maiores encontrados anteriormente, nos Estados Unidos e na China, tiveram suas medidas (com 11 metros e 10 metros de uma ponta à outra da asa, respectivamente) concluídas a partir de partes muito fragmentadas, enquanto no Brasil os fósseis são mais preservados.

A reconstituição do pterossauro em exibição no Museu Nacional mostra que o animal tinha uma crista na cabeça que, segundo os pesquisadores, servia para regular a temperatura do corpo, e dentes compridos e finos que indicam que se alimentava de peixes.

Tudo o que sabemos sobre:
Museu Nacionalpterossauro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.