Cientistas criam cristais melhorados para absorver CO2

Pesquisadores esperam que materiais assim levem a uma energia mais limpa

REUTERS

15 de julho de 2010 | 16h49

Químicos da Coreia do Sul e dos EUA aperfeiçoaram um tipo de cristal artificial, dobrando sua capacidade de  absorver e armazenar dióxido de carbono.

 

Chamados de armações orgânico-metálicas, os cristais são estruturas porosas e estáveis que podem absorver e comprimir o gás em espaços muito reduzidos.

 

Cientistas esperam que materiais assim levem a uma energia mais limpa e ajudem a capturar o dióxido de carbono que aprisiona o calor do Sol na atmosfera da Terra, causando aquecimento global.

 

Chefiado por Omar Yaghi, do Instituto NanoSystems da Universidade da Califórnia, a equipe aperfeiçoou um cristal anterior, chamado MOF-177, e produziu duas novas versões - MOF-200 e MOF-210 - que podem armazenar até o dobro de gás.

 

"Porosidade é um jeito de conseguir muito com pouco", disse Yaghi, em nota. "Em vez de ter apenas a superfície externa de uma partícula, fazemos pequenos furos para aumentar dramaticamente a área".

 

Os cristais aperfeiçoados são descritos em um artigo publicado na edição online da revista Science.

 

O químico Jaheon Kim, da Universidade Soongsil de Seul, que ajudou a projetar o MOF-210, descreveu um grama de MOF como tendo o tamanho aproximado de quatro cubos de açúcar.

 

Se desdobrado, cada grama cobriria mais de 5.000 metros quadrados, disse Yaghi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.