Cientistas criam enxerto de pele que combate hipertensão

Enxerto é feito com células modificadas geneticamente para produzir hormônio que combate a pressão alta

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

11 Janeiro 2010 | 17h59

Pesquisadores dos Estados Unidos e da Alemanha criaram um enxerto de pele capaz de reduzir a pressão arterial. Testado em camundongos, o enxerto foi capaz de reduzir a pressão sanguínea dos animais, e impediu que os roedores alimentados com uma dieta rica em sal desenvolvessem pressão alta. O trabalho é descrito no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

 

Caminhada reduz hipertensão em idosos, diz estudo

Mais de 1,5 bilhão de adultos terão hipertensão em 2025

Obesidade na infância pode antecipar doenças cardíacas

 

O enxerto foi criado a partir de um material chamado Equivalente à Pele Humana, ou HSE, na sigla em inglês. O HSE é obtido a partir de uma matriz de colágeno, preenchida com células de tecido conjuntivo e recoberta com células de pele humana. Para o estudo divulgado na PNAS, as células foram modificadas com a introdução, por meio de vírus, de um gene extraído do músculo cardíaco, e que produz uma substância que naturalmente reduz a pressão, o peptídeo natriurético atrial, ou ANP.

 

Além de obter células de pele capazes de liberar ANP no organismo, os pesquisadores conseguiram estimular a produção da substância, induzindo a geração de quantidades maiores, por meio da aplicação, sobre o local do enxerto, de colchicina, um remédio normalmente usado no tratamento de gota. "A colchicina garante que um número maior de células produzirá o ANP", diz um dos autores do trabalho, Jonathan Vogel, do Departamento de Dermatologia do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos.

 

Vogel explica que, caso a técnica chegue a ser adotada em humanos, um creme de colchicina, aplicado sobre o enxerto, poderia ser utilizado para controlar a quantidade de ANP liberada pelas células. Segundo ele, essa seria a única medicação necessária para regular a pressão do paciente, eliminando o uso dos remédios atuais.

 

"Também não seria preciso usar drogas contra a rejeição do tecido enxertado", diz ele. "As células usadas para fazer o HSE seriam do próprio paciente, e os genes inseridos também são genes humanos comuns, o que não produziria uma resposta imunológica".

 

O enxerto foi testado in vitro e em camundongos, que além do pedaço de pele artificial receberam também implantes de monitores para acompanhar sua pressão arterial. Animais de controle, sem enxerto, também foram monitorados. Os que receberam a pele artificial tiveram menor pressão média e não sofreram aumento de pressão quando alimentados com uma dieta com excesso de sal. Exames revelaram a presença de ANP humano no sangue dos camundongos enxertados.

 

Vogel diz que é improvável que as células do enxerto venham a, por exemplo, se espalhar pelo restante da pele. "Isso só aconteceria se o novo gene trouxesse uma grande vantagem de crescimento às células, mas nossos estudos não indicam que o ANP dê esse tipo de vantagem", afirma. E, embora reconhecendo que o uso de vírus para modificar as células do enxerto pode abrir caminho para o desenvolvimento de tumores, o pesquisador considera que, no caso do enxerto de pele "a probabilidade é muito baixa".

 

"Uma vantagem da terapia gênica por meio da pele é que é relativamente fácil remover os enxertos se algum efeito colateral ocorrer", acrescenta.

 

O cientista diz que ainda são necessários mais estudos antes que se possam iniciar os testes em humanos. E, se esses testes forem bem-sucedidos, quanto os enxertos chegarão ao mercado? "Boa pergunta", diz Vogel. "Infelizmente, não tenho como responder".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.